28 C°

sexta-feira, 18 de agosto de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Mais de 80% dos focos do Aedes são residenciais

sexta-feira, 19 de maio 2017

Imprimir texto A- A+

A secretária da Saúde, Joana Angélica Maciel, esteve na Câmara Municipal de Fortaleza para apresentar as ações do Executivo no enfrentamento às arboviroses e pedir a colaboração dos vereadores no trabalho de conscientização e mobilização da população no combate ao mosquito Aedes aegypti.
A presença da secretária atende a reivindicação dos vereadores que, nos últimos dias, vem cobrando ações da Prefeitura no combate ao avanço das doenças como dengue, zica e chikungunya.

Ontem, Joana Maciel explicou que as estratégias estão focadas na prevenção, além de contemplar ações de educação em saúde e mobilização social para o controle das arboviroses, tendo em vista que 81% dos casos dos focos do mosquito Aedes aegypti foram encontrados em ambiente residencial. “As residências são os principais criadouros do mosquito, portanto, o nosso foco é o combate ao criadouro e precisamos da mobilização social. Cada um precisa fazer o seu papel, pois a limpeza tem que ser realizada a cada sete dias, devido ao ciclo de vida do mosquito”, frisou ela.
Joana Maciel também informou que a Prefeitura atuará em pontos estratégicos como sucatas e imóveis abandonados. “Nosso objetivo é formar agentes multiplicadores de combate ao mosquito transmissor das arboviroses em instituições públicas e privadas, com medidas de prevenção e com a capacidade de identificar e eliminar focos do mosquito.”, pontuou ela.

Preocupação
Além disso, a secretária demonstrou preocupação com o avanço da chikungunya. “Em Fortaleza, tivemos 17 mil casos da doença e, agora, em 2017, já temos um número bem mais elevado. E algo que nos preocupa é a mortalidade, pois temos 32 casos suspeitos e 2 casos de morte já confirmados pela doença”, disse ela, informando ainda que até 2016 a região oeste da cidade de Fortaleza era a de maior incidência da doença, mas agora, em 2017, migrou para a região leste.

Força-tarefa
A secretaria detalhou, ainda, que a administração municipal montou uma força tarefa. Somente de janeiro a abril deste ano, já foram realizadas mais de 12 ações no combate ao mosquito. Dentre elas a implantação de brigadas em escolas públicas e privadas, creches e postos de saúde. A prefeitura também conta atualmente com 27 brigadas e 220 agentes. Esses agentes são responsáveis pela realização de vistorias, para identificar e eliminar focos, devendo ainda apresentar um relatório com o registro das ações à diretoria da instituição e nos encontros de monitoramentos com a equipe dos Agentes de Combate às Endemias da Prefeitura Municipal.
“Esperamos contar com o apoio dos pares para levar essas informações para a população, a fim de que possamos juntos combater o mosquito. Nós não fugimos da nossa responsabilidade e temos consciência de que muito trabalho ainda deve ser feito, mas a participação e colaboração de toda a sociedade é fundamental”, frisou.

Apoio
O líder do Executivo no Legislativo, vereador Esio Feitosa (PPL), além de elogiar o compromisso da SMS no combate às arboviroses, também ressaltou a importância da participação da população nesse processo. Ésio frisou que as várias ações que foram apresentadas de combate ao mosquito Aedes aegypti, só terão um resultado positivo se elas forem acompanhadas pelo empenho da população.

Até vereadores de oposição, como Soldado Noélio (PR), ressaltaram a presença da secretária. O republicano aproveitou, inclusive, para sugerir a avaliação das rampas de lixo pelos agentes de endemias, além de uma multa para quem contribuir para a proliferação do mosquito.
Já o vereador Ziér Ferrer (PDT) propôs a distribuição de telas de proteção em bairros com grande registro das doenças.

O presidente da Comissão de Saúde e Seguridade Social da Câmara Municipal, Dr. Porto (PRTB), porém, fez questão de ressaltar o empenho do Poder Executivo no combate às arboviroses. “Queria dar meu depoimento do quanto a secretária está se envolvendo nesse problema das arboviroses e do próprio prefeito Roberto Cláudio. Na primeira reunião que houve no Paço, fomos convidados e observamos a preocupação do prefeito de trazer para si o problema, e dizer que por mais que se faça tanto esforço, mas se não tiver o envolvimento da população não teremos resultado”, comentou ele.

outros destaques >>

Facebook

Twitter