sábado, 17 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Propagandas no rádio e TV sem muita criatividade

quinta-feira, 21 de agosto 2008

Imprimir texto A- A+

Ontem foi o primeiro dia de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão para os candidatos que disputam a Prefeitura de Fortaleza. Por meio de apresentações políticas e pessoais, promessas, jingles de campanha e ataques à atual gestão, os prefeituráveis da capital cearense entraram na casa, no carro ou no trabalho de muitos cidadãos divulgando suas boas intenções.
 

Os artifícios, alguns nem tão inovadores, tentam vencer uma nova batalha a cada dia: fazer com que o eleitor se mantenha ligado por 30 minutos diários no chamado palanque eletrônico. No rádio, Patrícia Saboya (PDT) e José Carlos Vasconcelos (PCB) não apresentaram programa. Sílvio Frota (PAN) e Fernandes Filho (PSDC) não tiveram material veiculado em nenhum dos dois veículos porque seus registros ainda estão sendo analisados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

» O pupilo do ex-governador. Quem deu início aos os programas de campanha ontem foi o presidente Estadual do Partido Republicano (PR), Lúcio Alcântara. O ex-governador não é candidato, mas tem como pupilo o deputado estadual Adahil Barreto (PR). Lúcio criticou o "monopólio" do poder e garantiu que acabou o "tempo de teste." Adahil se apresentou ao eleitorado e classificou-se como um candidato preparado para administrar Fortaleza "desde a primeira hora". Ele disse: "nosso grupo é forte e tem serviço prestado. Nossa Fortaleza precisa de gerente e prefeito da nossa gente".
 

» Fortaleza sem perder tempo. Moroni Torgan (DEM), ao contrário do discurso ficado especificamente na segurança, como fez em pleitos anteriores, deu a largada na campanha audiovisual com o tom mais brando e prometendo "trabalhar por Fortaleza sem perder tempo, pois você me conhece e sabe que me preparo para isso há alguns anos". O democrata enfatizou seu Gabinete de Gestão, a equipe que, segundo Moroni, está pensando há seis meses o Plano de Modernização de Fortaleza. O discurso surgia sempre com o candidato ladeado de colaboradores de campanha e reforçado pela música tema da postulação: "agora é a vez do Moroni; deixa o homem trabalhar."

» Gente nova. Logo em seguida, o palanque deu espaço para a apresentação do empresário Luiz Gastão, do PPS, que foi descrito por entrevistados como "gente nova na campanha." Ele admitiu ser um candidato desconhecido do eleitorado e fez uma breve apresentação pessoal, dando ênfase ao "trabalho social" que realizou na época em que administrou o Serviço Social do Comércio do Ceará (Sesc). Numa leve crítica, Gastão comentou a "falta de eficiência da atual gestão", que, segundo ele, deixou o "povo abandonado". O candidato finalizou o discurso garantindo que "Fortaleza tem jeito".

» Corte antes da hora. José Carlos Vasconcelos (PCB) passou boa parte do seu curto tempo de televisão expondo para o telespectador suas ações de destaque, principalmente no movimento sindical. Ele não fez promessas nem criticou os demais candidatos, mas, antes que concluísse o pedido do famoso "vote em mim", teve sua fala cortada para que a propaganda do PSOL entrasse no ar.

» Discurso apressado. Em clima de pressa, pelo pouco um minuto e quatorze segundos que dispunha, Renato Roseno (PSOL) prometeu uma Fortaleza solidária, justa e comprometida com o meio ambiente. Ele garantiu que não vai "vender ilusões", mas que pretende buscar para o povo uma vida que vá "além da mercadoria." O socialista citou as lutas sociais como forma de libertação e deixou o apelo "dê um voto de oposição". Por fim, parafraseou escritor Guimarães Rosa, citando: "a vida nos pede coragem".

» O empregado do povo. Tendo ao fundo uma música de tom carnavalesco, o empresário e candidato do PTC, Aguiar Júnior, agradeceu sua recepção nos lugares que tem visitado desde o início da campanha eleitoral e se declarou "preparado" para assumir a cadeira de gestor municipal de Fortaleza. Em declarações contraditórias e rápidas, também por conta do pouco tempo, Aguiar chegou a declarar que não possui "dono" nem "patrão" e, em seguida, anunciou: "serei o empregado do povo." No fundo musical, ouvia-se: "é Aguiar; é Aguiar; olê olê olá".

» Fé em ação. O Pastor Neto Nunes, que apresentou seu vice, Sérgio Gomes (PSC), que é coronel do Corpo de Bombeiros, já anunciou de cara o carro chefe de sua campanha: o Saúde no Quarteirão. "Você já tem o Ronda e agora também vai ter a saúde no seu quarteirão", poetizou o candidato. O Pastor prometeu cumprir suas propostas alicerçado na palavra de Deus e nas leis que regem o País. Para concluir sua rápida apresentação, Nunes escolheu como pano de fundo uma estrofe evangélica: "vai dar tudo certo, se a gente colocar a nossa fé em ação."

» Retrospectiva sem depoimentos. O vídeo de Patrícia Saboya mostrou tanto imagens de Fortaleza quanto flashes da vida da pedetista. A candidata, entretanto, não falou em momento algum. Com a palavra apenas alguns eleitores, que exaltaram projetos propostos por ela enquanto vereadora, deputada estadual e senadora. A tão esperada participação de Lula que chegou a ser anunciada por Patrícia não aconteceu. O máximo foram citações do nome do presidente e fotos de arquivo dos dois em eventos realizados no Congresso Nacional.

» A candidata do governador. Luizianne Lins (PT) teve programas que lembraram muito mais um balanço de seus três anos como prefeita de Fortaleza a uma propaganda eleitoral de reeleição. O diferencial, porém, foi a presença do governador Cid Gomes pedindo votos para ela. Luizianne elencou números de benfeitorias alcançadas na saúde, educação, saneamento, infra-estrutura e habitação. Além disso, relatou promessas cumpridas e alfinetou seus adversários timidamente. "Minhas obras não têm placas e nem são comemoradas com festas de inauguração", afirmou, sendo complementada por Cid: "Luizianne é a minha candidata".

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter