segunda-feira, 25 de março de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Alcolumbre terá ‘atitude’ contra fraude de sábado

Cláudio Humberto

Colunista - Geral

terça-feira, 05 de fevereiro 2019

Imprimir texto A- A+

amos defender sempre a
liberdade de opinião
Presidente Jair Bolsonaro (PSL), reiterando, em mensagem, os valores democráticos

Onovo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), confirmou a esta coluna e a senadores que vai tomar uma atitude em relação à fraude verificada na primeira votação para a Presidência do Senado, sábado (2), quando apareceram dois votos a mais. Esses dois votos foram rasgados rapidamente pelo presidente da sessão, José Maranhão (MDB-PB). O caso chocou a população e os meios políticos.

Objetivo era ‘melar’
A investigação deve identificar o autor da inclusão ilegal de votos na urna, com objetivo de “melar” a eleição, talvez para “ganhar tempo”.

É compromisso
Alcolumbre é do tipo que prefere a concórdia a retaliações, mas ele assumiu ainda no sábado, na TV, o compromisso de apurar a fraude.

Da urna ao bolso
Imagens de TV mostraram que os votos enxertados na urna, conferidos ao candidato do MDB, acabaram no bolso do presidente da sessão.

Decisão colegiada
O presidente do Senado começou sua gestão de maneira significativa, convocando reunião com líderes de bancada para definir prioridades.
Embromação
A Força Nacional serve apenas para o Governo Federal fazer um gesto político no estado que a solicita, mobilizando PMs de outros estados.

Pé de meia
Policiais militares de outros estados recebem uma diária de 300 reais, além do salário, para atuar pela Força Nacional em outro estado.

Farsa nacional
Policiais federais costumam se referir à Força Nacional como “farsa nacional”, exatamente por não fazer qualquer diferença onde atua.

Culpa é da Vale
Levantamento do Paraná Pesquisa mostra que, para a maioria esmagadora dos brasileiros (63,4%), a Vale é a maior responsável pela tragédia de Brumadinho. Só 10,4% culpam o Governo Federal.

Elogio ao pacote
O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro disse que o pacote do ministro Sérgio Moro (Justiça) vai aumentar muito a população carcerária. A intenção era criticar, mas para o povo soa como elogio.

Sabujice explícita
A sabujice do secretário-geral da mesa do Senado, logo após a vitória de Davi Alcolumbre, provocou reações de asco nas redes sociais. Como se ninguém soubesse quem é o seu senhor. Mas, o presidente do Senado ainda vai decidir se reitera a demissão do burocrata.

Gabinete reformado
Além do retrato do médium tarado João de Deus na parede, Ibaneis Rocha (MDB) encontrou no escuro gabinete do governador, no Palácio Buriti, cortinas fechadas há anos, móveis detonados etc. Parecia mais um bunker. Gastou R$ 200 mil para reformar tudo. Do próprio bolso.

Oportunismo rastaquera
Deputados continuam se aproveitando do cadáver da vereadora covardemente assassinada no Rio. Onde há um gabinete de deputado do Psol na Câmara, instalaram placa “Rua Marielle Franco”. De novo.

Decoro triturado
Senadores, inclusive do MDB, esperam do presidente Davi Alcolumbre que não deixe barato a arruaça de Kátia Abreu (MDB-TO), surrupiando-lhe documentos. Querem a senadora julgada por quebra de decoro.

Transmissão
O porta-voz do presidente Jair Bolsonaro, general Otávio do Rêgo Barros, vai transmitir às 16 horas do dia 14, em Brasília, a chefia do Centro de Comunicação Social do Exército – onde, aliás, mandou muito bem.

Confiança recorde
O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Distrito Federal (ICEI-DF) bateu recorde para o mês de janeiro, desde 2010, início da série histórica do levantamento. O ICEI bateu a marca de 64,7 pontos.

Pergunta no IML
Doze dias e 350 mortos depois, quando é que a polícia e o MP vão finalmente buscar os diretores da Vale ao menos para depor?

Em Santa Maria (RS) para uma palestra sobre economia, no final de 1991, o então deputado Delfim Netto (SP) respondia com evasivas às perguntas sobre a expectativa de um novo “choque econômico”. Diante da terceira insistência do deputado Adylson Mota sobre o tal “choque”, ele perdeu a paciência: – Eu acho que vocês estão ansiosos para falar com um eletricista e eu sou apenas um economista…

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter