domingo, 15 de setembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

A cidade, a tecnologia, o desrespeito ou tudo junto e misturado

João Soares Neto

Colunista - + SUPLEMENTOS

sexta-feira, 11 de janeiro 2019

Imprimir texto A- A+

Dizia o geógrafo Milton Santos que as cidades “são construções sóciotécnicas, onde o conceito de inteligência deve ir além do trivial: desejamos ter a smart-prefeitura, o smart-hospital, ou seja, conseguir mais eficiência da cidade em benefício do cidadão, usando para isso tecnologia. Esse benefício aparecerá no trânsito, nos serviços, no gerenciamento dos riscos. E fazer isso com o uso massivo de tecnologia torna o desafio mais interessante”. Li este texto no Valor, mas poderia ser em qualquer outro veículo de comunicação.

Existe a boa tecnologia,a tecnologia usada para o bem. E existe a tecnologia usada apenas para punir, multar ou, de forma automática, gerar um boleto, com multa por conta de um atraso de um dia, em face de uma fila imensa que faz idosos passar vexames.

Existem ainda os casos diários de caixas eletrônicos de bancos dinamitados em capitais e cidades do interior, a ocasionar transtornos e prejuízos aos que iriam fazer depósitos/retirada para pagar contas de IPTU, carnês do INSS, água, luz e crediário,e terão que fazê-lo depois da data, com multa. Reclamam eles também – e com razão – das multas aplicadas em semáforos onde os motoristas têm medo de ficar à espera do sinal verde, cercados de estranhos não havendo tráfego que impeça o deslocamento.
Esta semana, por exemplo, um desses jovens impetuosos do trânsito cortou o meu carro pela direita, o que a lei proíbe. Além disso, trancou a via, desceu como um desesperado, ignaro que era, e dirigiu-se a mim. Fechei o vidro e ele deu pancadas. Abri uma fresta e disse que ele nem sabia que cortar pela direita era irregular. Um imbecil. Poderia ter havido mais um crime ou, pelo menos, uma luta corporal. E isso acontece a todo instante.

Um Cônsul honorário, em plena Aldeota, levou um tiro de raspão na boca, teve o seu carro levado (depois encontrado) e passou horas seguidas, na madrugada, para fazer um simples boletim de ocorrência e a identificar os meliantes.

Dia desses, fui abastecer o carro. Ao meu lado, no posto, estava um veículo médio com um grande equipamento de som que tomava todo o bagageiro. Esse som refletia luzes intermitentes e era testado pelo cioso proprietário a se acreditar um DJ (disk jockey) volante.Ele faz parte da grei dos atormentados, dos que não conseguem distinguir barulho de harmonia melódica. Dos que ouvem essas “músicas” em altíssimos decibéis com letras de verso de pé quebrado e sentidos chulos.

Talvez eles tenham como referência, quem sabe, o astro (como era mesmo o nome dele?) da série Velozes e Furiosos, recentemente, falecido em uma colisão em alta velocidade. Ou, quem sabe, são admiradores de ídolos como Justin Bieber, preso ao participar de um “pega”, em Miami, em carro da locadora de Felipe Massa. Bieber dirigia no dobro da velocidade permitida e teria usado álcool e outras drogas.

Voltando ao início da conversa, as cidades não precisam apenas de tecnologia, mas de administrações atentas ao conjunto das suas partes. Este texto coloca “junto e misturado” assuntos distintos que fazem a crônica (policial e social) das cidades, ou vão parar nas colunetas que inventam celebridades ocas, a confundir e infundir modos e modas em jovens ainda incapazes de ajuizar as distinções entre o bem e o mal.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter