segunda-feira, 17 de junho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Depois do amanhã

Fernando Maia

Colunista - Política

quarta-feira, 12 de setembro 2018

Imprimir texto A- A+

 

Uma verdade indiscutível na campanha eleitoral do Ceará: Camilo Santana, na sua luta pela reeleição, navega em mar de almirante. É o governador disputando a permanência à frente do Poder Executivo em situação privilegiada, com apoio de 24 partidos coligados, além de contar com oposicionistas que terminaram por deixar isolado o senador Tasso Jereissati, e o seu candidato a governador. Mas, existem atropelos na caminhada. Como vem sendo observado, os governistas atravessam momentos de incômodo constrangimento com a falta de entrosamento entre algumas importantes estrelas. É fato púbico e notório, no que pese a boa vontade de Camilo para unir forças, que o presidenciável Ciro Gomes e o senador Eunício Oliveira se toleram, mas não se afinam na busca de uma saída pacífica. Um perdão mútuo, desarmando espíritos, seria o ideal para a celebração de um pacto. Dificultam essa proposta o PDT e o PT. As lideranças desses dois partidos, depois da última pesquisa, passaram a acreditar mais nas chances de Ciro chegar à Presidência da República, e dificilmente aceitariam dividir suas conquistas com o MDB. Se eleger-se presidente, Ciro poderia contar com uma importante ala oposicionista liderada pelo senador Eunício, que tem condições para permanecer na presidência do Senado Federal. É considerável que tem histórico e força no Congresso, para lastrear o modelo Ciro de governar, e facilitaria entendimentos com radicais opositores. Em política, o poder é efêmero e, por sabedoria, ninguém deve resistir a tentação de sacrificar objetivos. Sempre que houver razões que justifiquem os meios, o diálogo e a compreensão podem superar desentendimentos pessoais a favor da governabilidade.

Ciro tá chegando lá.
É privilegiada a situação de Ciro Gomes na corrida presidencial. Em segundo lugar na preferência do eleitorado, tem o menor índice de rejeição entre os primeiros cinco colocados, e venceria a todos no segundo turno. Quem entende de pesquisas diz que ele já está lá, tranquilamente. E chegando, será difícil vencê-lo nos debates que virão com tempo igual para os dois candidatos.

Parcerias .
A presidente do TRE-CE, Nailde Pinheiro, conta com parcerias de peso para manter a correção na campanha eleitoral: a PF, para um combate sistemático à “praga” das “fake news”, e com o TCE, para barrar candidatos com contas rejeitadas nos últimos oito anos.
Dobradinha? .
Na abertura do seu comitê, o candidato ao Senado Eduardo Girão recebeu o General Theophilo e Mayra Vasconcelos, do PSDB, candidatos respectivamente governador e ao Senado.
O Novo . Ontem, na Rádio Assunção, Eduardo Girão surpreendeu revelando propostas que se coadunam com o pensamento da sociedade. O senador Eunicio que se cuide. Ele é o novo.
Invasão . Com cinco colégios eleitorais invadidos por candidatos do governo a que serviu, o deputado Gony Arruda atravessa momentos difíceis para se reeleger.
Sem entender . Tassistas ainda não entendem porque o senador desistiu de entrar na disputa pelo Governo do Estado, evitando o massacre que se desenha para o General Theophilo.
Perdeu pro nada . “Cutucada” de Ciro em Haddad, candidato substituto de Lula: “Em 2016, eu e Lula demos a ele todo o apoio para prefeito de São Paulo e ele perdeu até para os votos brancos e nulos”.
Cabide . Para o deputado Danilo Forte (PSDB) o plano de demissão voluntária proposto pela Eletrobrás, para se livrar de 2.400 funcionários ociosos, prova ser essa um cabide de empregos.
Espelho . Advertência de Marina Silva, candidata da Rede a presidente: Lula transferiu todos os seus votos para a Dilma que, além de quase perder, acabou contribuindo para a paralisia do País.
Ciumeira . Segundo se informa da Ibiapaba e Zona Norte, tem crescido a ciumeira de candidatos que não são dali, relação ao presidente da CMFor, Salmito Filho. Mas, ele é da região.

“Democracia não se faz com políticos e juristas tentando desmoralizar as nossas leis e os ministros responsáveis pela sua aplicação”. Ellen Gracie, ex-ministra e ex-presidente do STF.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter