segunda-feira, 17 de junho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Desagregação e atraso

Fernando Maia

Colunista - Política

domingo, 26 de agosto 2018

Imprimir texto A- A+

 

Não há maior atraso em uma sociedade do que o uso desagregador da atividade político-partidária. Era o que ensinava, nos anos 50, o então governador de Minas Gerais e futuro presidente Juscelino Kubitscheck. Tanto antes quanto depois de JK, essa tem sido a constatação permanente no pluripartidarismo, como ocorre hoje de forma abusiva e escandalosa no Brasil. Não é necessário ser filósofo ou cientista político para saber que desentendimentos entre políticos, brigas entre partidos e partidários tem sido responsável pela redução do crescimento de estados e municípios, e, por extensão, do próprio País. Daí, termos de dar razão ao governador do Ceará, Camilo Santana, que levantou a bandeira da paz estendendo a mão ao senador Eunicio Oliveira, pondo fim a uma queda de braço que só prejuízos trazia ao Ceará. Em recente declaração sobre o momento político do nosso estado, sua excelência advertiu claramente que não se faz política com ódio. No Ceará, após o fim da era Vargas, duelos ferozes entre partidários da UDN e do PSD, durante quatro pleitos, resultaram em intrigas, agressões e mortes, e, com isso, veio o represamento que atrasou o nosso crescimento. O exemplo mais recente e ilustrativo foi o desencontro de Camilo Santana com Eunício Oliveira, provocado por sequelas dos antagonistas do pleito de 2014, hoje, felizmente superado. Esse confronto ficou no passado, e celebramos uma parceria que é prenúncio de uma nova era em que a união de forças irá prevalecer através do entendimento das nossa principais lideranças políticas.

Portas abertas.
Em meio à discussão sobre a polêmica coligação com o senador Eunício Oliveira, nem sempre aceita por todos os aliados, o governador Camilo Santana tem um argumento, este sim, compreendido por todos: ter encontrado abertas, para parcerias em benefício do Ceará, todas as portas da República.

Prevenção . Texto apócrifo do Comando Vermelho, atribuído ao PCC, ameaçando os deputados Vitor Valim e Capitão Wagner, e candidato Bolsonaro motivou pedido de forças Federais para o Ceará.
Espaço valioso . Hoje, no Jornal Nacional, o entrevistado será o presidenciável Ciro Gomes (PDT). Ele e sua equipe reconhecem ser um espaço tão ou mais valioso do que os bitolados debates televisivos.
Moderadora .
A senadora Kátia Abreu, vice de Ciro, além de servir de elo com as forças ruralistas terá também a missão de moderar as eventuais explosões do discurso do candidato.
Apequenando . Para Ciro Gomes, no momento, a lógica do PT é, mesmo sabendo que Lula está impedido de ser candidato, criar comoção no eleitor para eleger Haddad, um presidente pequeno.
Problemas . Não são poucos os problemas, principalmente dos governistas na campanha, com comícios, caminhadas e carreatas, dado o acirramento da briga por votos para a Câmara e AL.
Sinuca . A se crer no que diz a senadora Gleisi “Narizinho”, presidente do PT, Lula irá solicitar da Justiça Eleitoral pelo menos o direito de votar. Não diz se votar solto ou preso.
Responsabilidade . A FIEC subscreveu documento da CNI, direcionado a todos os presidenciáveis, em que é atribuído ao poder público oferecer o ensino técnico, visando gerar mais empregos para os jovens.
Alvissareira . Alvissareira a informação da PMF para Fortaleza. Com muito empenho, a Secretaria da Saúde, com ajuda estadual e federal, reduziu em 95% a incidência de dengue e chikungunha.
Tem a força . Um dos candidatos à AL com maior prestígio, o presidente da CMF, Salmito Filho, contou, na inauguração do seu Comitê com o governador Camilo e o prefeito Roberto Cláudio.
Não se inovaram . Para o deputado Carlos Matos (PSDB), o pior, quanto à insegurança, é que, enquanto as facções criminosas inovaram seus métodos, o mesmo não ocorreu com o aparelho repressor.

“Se permitirmos que a Justiça fique mudando em benefício de “réu especial”, estaremos admitindo a prática de um estado de compadrio”. Ministro Luís Roberto Barros, do TSE e STF.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter