sexta-feira, 19 de abril de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Desperdício

Rubens Frota

Colunista - Economia

segunda-feira, 11 de fevereiro 2019

Imprimir texto A- A+

A cultura do “é melhor sobrar do que faltar” impulsiona o desperdício de alimentos no Brasil, aponta uma pesquisa recente, realizada pela Embrapa, com apoio da FGV. O gosto pela fartura, desde a ida ao supermercado até o preparo das refeições e a preferência por comida fresca à mesa fazem com que cada brasileiro jogue mais de 40 quilos de comida no lixo por ano. Além de ser associada à hospitalidade e ao cuidado com a família, a abundância está ligada ao status, aponta o estudo. Ter a despensa sempre abastecida também traz tranquilidade a quem tem baixo poder aquisitivo. Por ser prioridade no orçamento, a comida é comprada e estocada em grandes quantidades para garantir que será suficiente para todo o mês. Contudo, o preparo de porções exageradas e o não reaproveitamento das sobras fazem com que parte da comida vá diretamente para o lixo.

Desperdício I. A classe social não é o que determina o desperdício. “As famílias que desperdiçam pouco não são necessariamente as mais pobres, mas as que adotam hábitos de consumo mais sustentáveis”. Na prática, são as pessoas que fazem compras menores, preparam lista de compras e reutilizam as sobras em novas refeições.

Desperdício II. Segundo o estudo, a família brasileira joga fora quase 130 quilos de comida por ano, uma média de 41,6 quilos por pessoa. Os alimentos que mais vão para o lixo, por percentual do total desperdiçado, são: arroz (22%), carne bovina (20%), feijão (16%) e frango (15%). Cálculos do Instituto Akatu, ONG voltada ao consumo consciente.

Infraestrutura
Os investimentos públicos em infraestrutura (rodovias, portos, aeroportos, energia, telecomunicações, entre outros) somaram R$ 27,875 bilhões em 2018, ou 0,4% do PIB, de acordo com números corrigidos pela inflação da Secretaria do Tesouro Nacional. É o menor patamar em 10 anos.

Tecnologia
O Brasil aparece cada vez mais rápido na lista de países que passam a ofertar produtos lançados globalmente. A redução desse tempo, que acelerou nos últimos anos, tem movimentado marcas a apostarem no país e oNordeste aparece bem na demanda por alta tecnologia, automoção e conectividade.

Consumo
O consumo das famílias brasileiras deve impulsionar a economia em 2019. A reação do mercado de trabalho, o crescimento da renda e a expansão do crédito serão os motivos da alta, segundo economistas.  O consumo deve crescer 2,5% em 2019, superando a evolução do PIB como um todo, estimada em 2%. No ano passado, para uma alta de 1,2% do PIB, o consumo familiar avançou 1,8%. O resultado das contas nacionais de 2018, no entanto, só será divulgado no fim deste mês pelo IBGE.

Crescente
No último trimestre de 2018, o País tinha 12,2 milhões de pessoas desempregadas, mas esse número caiu 2,4% em relação ao trimestre anterior. Embora a queda tenha sido puxada pelo crescimento do trabalho informal e por conta própria, o efeito na economia foi positivo. “A massa de renda aumentou 2%. É um dos grandes pilares. Outro é a reação do crédito para pessoas físicas. Esperamos a continuidade desse movimento em 2019, e que a massa de renda avance 2,7%”, afirmam economistas.
Tendências
Depois de mais de 15 anos frequentando a National Retail Federation (NRF), maior feira de varejo do mundo, a Ancar Ivanhoe, uma das maiores plataformas de shopping centers do país, repete a dose e realiza a segunda edição do Pós-NRF em cinco cidades do Brasil com o objetivo de apresentar as tendências e o rumo do segmento aplicados na prática.

Tendências II
Com início no Rio de Janeiro, o ciclo de palestras passa por Fortaleza, Natal, Cuiabá e Porto Velho e conta com a presença dos palestrantes Gustavo Schifino, presidente do Conselho de Ética da ABF, e Tiago Mello, diretor de Operações da M.Officer, além de Mariana Carvalho, sócia da Ancar Ivanhoe, e o time de superintendentes dos shoppings da rede. Dentre os conceitos debatidos estarão a experiência do consumidor, os valores e propósito da marca, além do meio pelo qual se pratica o varejo, integrando o físico com o digital.

Tendências III
O evento, tradicionalmente realizado por empresas de consultoria, busca consolidar os conceitos aprendidos durante a feira e, alinhado com o plano estratégico da companhia, dividir com os lojistas convidados qual o perfil e o que motiva a compra desse novo consumidor, mais exigente e consciente.

Tendências IV
“Como uma grande plataforma, temos usado cada vez mais nossa rede para aprimorar todos aqueles que, juntos com a gente, fazem o nosso negócio acontecer. Por isso, pela segunda vez, estamos promovendo um road show pelo País para que nossos lojistas possam aprender e encontrar soluções práticas para um futuro em que o universo digital e físico se integre”, analisa Evandro Ferrer, CEO da Ancar Ivanhoe.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter