segunda-feira, 17 de junho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

A faca de Paulo Guedes e o dinheiro do sistema “S”

Macário Batista

Colunista - Política

segunda-feira, 22 de abril 2019

Imprimir texto A- A+

Cientista Político e Especialista em Psicologia Política. Consultor de Empresas e Professor da Universidade de Fortaleza (Unifor), Marcelo Sidrião F. Salgado, foi às páginas e folheou a vida cearense sob a ótica da indústria. Aí tem parte de um comentário que fez a partir dos números da última sondagem industrial de janeiro, elaborada pelo Observatório da Indústria da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), revela queda nos principais indicadores de atividade da indústria cearense. Em janeiro de 2019, o setor industrial apresentou nova retração da produção, apesar da menor magnitude, em relação a dezembro de 2018. “Paulo Guedes, o poderoso Ministro da Fazenda, trava uma batalha espartana contra o Sistema “S” para assumir o controle administrativo de tais entidades e seu caixa”. Paulo Guedes, o poderoso Ministro da Fazenda, trava uma batalha espartana contra o Sistema “S” para assumir o controle administrativo de tais entidades e seu caixa. As entidades que não se alinharem sofrerão um corte (ou facada) de 50% em seus repasses. O ministro da economia quer ter ingerência sobre o orçamento de R$ 18 bilhões. Segundo os relatórios do Tribunal de Contas da União (TCU), existe muito desperdício dentro das Federações de Indústrias, de comércio, agricultura, turismo e suas entidades. O custo da folha de salário nas empresas hoje é onerado em 20% de contribuição patronal ao INSS e mais 6,5% aproximadamente do Sistema S. Guedes articula diligências para patrulhar a gestão e o caixa destas instituições. O Governo considera como pública a verba que abastece o caixa do Sesi, Senai, Senac, Sesc, Senar, Sescoop e Sest. É neste ambiente bolsonariano, de muitas incertezas econômicas, ceticismo político e ociosidade na indústria cearense, que 40 sindicatos patronais e empresários filiados à Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) caminharam solidários para uma eleição com chapa única, para o pleito. Foram eleitos os membros da Diretoria Plena, Conselho Fiscal e Delegados Representantes junto ao Conselho da CNI. A aclamação ocorreu no dia 16 de abril e a posse da nova diretoria para o final de setembro. A economia e a política juntaram-se no Ceará. Coincidentemente, a Avenida Barão de Studart é a mesma artéria na qual tem domicílio a sede do governo do estado do Ceará e a Federação das Indústrias do Estado do Ceará. Nas rodas políticas, empresariais e entre formadores de opinião, há uma certeza: O governador Camilo Santana e o presidente da Fiec, Beto Studart, estão mais unidos do que nunca, na política e na economia. Existe uma grande sintonia entre ambos. Entretanto, os próximos meses serão tensos e difíceis nos dois endereços da avenida que homenageia o médico, historiador e abolicionista Guilherme Chambly Studart, o Barão de Studart. Sua batalha foi para que a memória do Ceará não se perdesse”. O comentário vem do focus.jor.br.

Nem feriado é mais
No Brasil, o dia 22 de abril constitui uma das datas mais importantes da História nacional. Nesse dia é celebrado o Descobrimento do Brasil, fato que ocorreu no ano de 1500, quando uma expedição marítima portuguesa, liderada por Pedro Álvares Cabral, chegou ao litoral do atual estado da Bahia.

A cultura na OAB
O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil cria comissão nacional para a cultura e arte, tendo à frente o advogado cearense Ricardo Bacelar na presidência e o advogado Luiz Gustavo Vardânega (PR) na vice-presidência.

Partido Novo
O Novo lançou seu primeiro edital “para a avaliação de postulantes a futuros pré-candidatos” a prefeito das eleições de 2020. Trata-se de um conjunto de normas, critérios e testes para definir as candidaturas que ainda vão à convenção do partido. O processo de seleção ocorrerá inicialmente em oito capitais, incluindo Fortaleza.

Primário não entra
Não é qualquer filiado que pode entrar no processo de seleção do Novo. Entre os critérios, é exigido “experiência mínima de oito anos em posições relevantes em gestão no setor público e/ou privado, com elevadas práticas de governança”.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter