terça-feira, 17 de setembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Governo reage a adesões

Fernando Maia

Colunista - Política

quarta-feira, 11 de setembro 2019

Imprimir texto A- A+

Com a proximidade das eleições municipais, aumentou consideravelmente o número de deputados desejosos de firmar compromisso com o Governo. Dois fatores contribuem para essa causa: a privilegiada posição de Camilo Santana nas pesquisas e a atração fisiológica que o Governo exerce para engordar o seu protetorado. Cogitou-se a formalização de um termo de alinhamento com base na soma de adesões individuais de parlamentares de agremiações não filiadas ao sistema aliado. Tal documento seria subscrito por parcela substancial de militantes políticos da Capital e do Interior, ameaçando, de certa forma, o controle do que poderia ser considerado como uma “sublegenda”, desafiando o cerne do sistema que tem sua área de influência fiscalizada pelo PDT, partido que é de direito, mas não é de fato, o comandante do conselho político governamental. O assunto começou a perder força por entenderem os seus defensores que a iniciativa poderia desestabilizar a azeitada máquina que administra sem desencontros a engrenagem do Governo, além de expor o próprio Governo ao risco de aproximar-se da autodestruição com a quebra da unidade das suas células.

Algo de novo no PT. O primeiro turno da votação para a eleição do presidente do diretório municipal do PT, trouxe um fato novo ao partido com a derrota de Luizianne Lins, até então imbatível nas eleições anteriores.
Revanchismo. O PT se esganou dentro de casa, mas não permitirá revanchismos no segundo turno, determinante para a escolha do novo presidente do diretório municipal. É assim que o partido tem reagido às disputas internas. Não há tempo para lagrimas, ainda.

Bom para Antônio Henrique. Na Câmara Municipal a marcha dos acontecimentos favorece ao presidente da Casa. Se confirmada a transferência de poder no PT com uma vitória de Guilherme Sampaio no segundo turno, o vereador Antônio Henrique terá mais facilidade para dialogar com as oposições. A derrota do candidato de Luizianne foi bem recebida no Paço Municipal.

Devagar. Está devagar a evolução da campanha do PSDB para atrair candidatos às eleições municipais. O ex-deputado Carlos Matos tem se esforçado, mas o mesmo não ocorre em relação a Nelinho Freitas e Fernanda Pessoa que não deram as caras na garimpagem.
Trabalho duro. Também o MDB trabalha duro para filiar novos candidatos a vereador. O deputado Daniel Oliveira, escudado pelo secretário João Melo, estão suando a camisa e gostaria de ter aqui mais presença do ex-senador Eunício Oliveira, nome emblemático do partido.
Estágio probatório. Com a viagem de Camilo Santana e Izolda Cela ao exterior, o deputado José Sarto assumiu, pela segunda vez, a chefia do Governo, sentindo-se cada vez mais atraído pelo cargo. Ao que se informa, já em estágio probatório para figurar entre os candidatos a sucessão estadual de 2022.
Sem fundo e sem TV não dá. A perda do fundo partidário e do tempo de TV, foram fatores determinantes para a saída do ex-deputado Ely Aguiar do Partido Democrata Cristão. Filia-se ao PSD da Republica de Tauá, dia 22 próximo, em solenidade com a presença do ex-ministro Gilberto Kassab.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter