sábado, 17 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Menor que imaginava, Serra hesita sair do PSDB

Cláudio Humberto

Colunista - Geral

sexta-feira, 05 de abril 2013

Imprimir texto A- A+

• O ex-governador paulista José Serra tem enfrentado dificuldades para reunir um número significativo de políticos do PSDB que, liderados por ele, realizem filiação coletiva ao Partido Popular Socialista (PPS). A “janela” para a mudança, sem risco de perder mandato, será a fusão ao Partido Municipalista Nacional (PMN), a pretexto de “criar” uma terceira agremiação. Serra tem menos aliados que imaginava, no PSDB.

• Daqui não saio – Nem mesmo aliados fieis como o senador Aloysio Nunes (SP), topam se juntar à aventura de José Serra no PPS: “Do PSDB eu não saio”.

• Trio ternura – Por trás do insucesso de Serra estão três tucanos ilustres convencendo “serristas” a ficarem no PSDB: FHC, Geraldo Alckmin e Aécio Neves.  
• Manobra? – Há tucanos que não acreditam que Serra saia do PSDB para presidir o PPS. Seria uma manobra para se valorizar e enfraquecer Aécio Neves.

• Pergunta na fronteira – O que Lula está fazendo que ainda não se ofereceu para intermediar o conflito entre as duas Coreias?

PSB vê ‘manobra’ na
votação da reforma política
• O PSB desconfia de manobra do Planalto contra o governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB-PE) na votação da reforma política, prevista para próxima terça (9) na Câmara. A cúpula do partido suspeita que PT e PMDB querem votar a matéria às pressas para acabar com a formação de coligações partidárias nas eleições de 2014, o que atingiria em cheio a candidatura do socialista à Presidência.

• Aumenta chance – As coligações garantem mais tempo de TV para candidatos a prefeito, governador e presidente, e multiplica possibilidade de conquistar votos.

• Abrindo janela – PT e PMDB planejam apresentar emenda à reforma política para criar “janela” que permita mudar de partido sem perder o mandato.

• Holofotes – Pastor Feliciano (PSC-SP) bateu o deputado rival Jean Wyllys (PSOL-RJ): gastou R$ 22, 8 mil durante o recesso. O ex-BBB, R$ 17,1 mil.

• Te cuida, Luana – O corajoso desabafo de Luana Piovani contra Sérgio Cabral, protestando contra a bagunça, a sujeira e o banditismo no Rio de Janeiro, pode custar caro à atriz. Rancoroso, ele tem o hábito de perseguir e pedir a cabeça dos seus críticos, inclusive jornalistas.

• Vexame – Depois da França, o site do Ministério das Relações Exteriores do Canadá recomenda “muita cautela” a turistas, após o crescimentos de estupros no Brasil: 150% a mais em quatro anos, superando a Índia.

• Tudo bem – A maranhense Roseana Sarney (PMDB) nega insatisfação com Dilma ou a refinaria cearense. O ministro Edison Lobão (Minas e Energia) ratifica: já foram gastos R$ 1 bilhão na refinaria de Bacabeira (MA).

• Malandragem – Aliados do governo do cocaleiro Evo Morales, da Bolívia, armam golpe contra o senador de oposição Roger Pinto, asilado na embaixada do Brasil há quase um ano. Querem cassá-lo por “faltas”.

• À mesa com Dilma – Dilma fez duas novas paixões à mesa, durante sua visita a Fortaleza para a reunião do Conselho deliberativo da Sudene: gostou tanto que repetiu as sobremesas panqueca de caju e sorvete de tapioca.

• Caju amigo – Para bajular Dilma, que descobrira a fruta, Aloizio Mercadante pediu indicação do governador Cid Gomes de um livro sobre caju. Ele não sabia: “O tema caju é mais com o Piauí. Ceará só exporta castanhas”.

• Skyfall – Demitido por acessar dados confidenciais da Agência Brasileira de Inteligência em 2012, o ex-agente William Tomazzi enfrenta processo criminal na Justiça Federal, após sua prisão em flagrante.

• Lulices – Virou página no Facebook a frase do presidente do Uruguai, José Mujica, num evento oficial ontem, ignorando que era gravado: “Essa velha (Cristina) é pior que o caolho (Néstor Kirchner)”. Te cuida, Dilma.

• Pensando bem… – …o governo está gostando do altíssimo preço do tomate. Nunca se sabe o que a população, já endividada, poderá fazer com ele.

O PODER SEM PUDOR
Tapinha amigo     
No início dos anos 90, em visita ao Brasil, Fidel Castro foi almoçar na casa de Lula, em São Bernardo (SP). Até provador foi destacado pela segurança cubana. D. Marisa compreendeu: todo o cuidado era pouco – afinal, a CIA tenta matar Fidel há décadas. Mas o comandante meteu o delicioso bife rolê inteiro na boca, e se engasgou com o palito que mantinha a carne enrolada. O homem ficou roxo, abriu os braços, pânico geral, até Lula aplicar um tapa nas suas costas. Um alívio. Depois que o convidado foi embora, Lula comentou:
– Quase matei o Fidel, coisa que nem a CIA conseguiu…

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter