28 C°

domingo, 17 de dezembro de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

o naufrágio do PT

Sebastião Nery

Colunista - Nacional

terça-feira, 04 de outubro 2016

Imprimir texto A- A+

A História da Humanidade tem naufrágios que ultrapassaram os tempos, como o do cônsul Pompeu voltando da África para Roma. No Brasil, a Bahia nasceu do naufrágio do valente aventureiro Caramuru. Perdemos o bispo Sardinha nas costas do Nordeste. E na História Universal o Titanic, o super navio afundado.
Nesta semana, mais um naufrágio veio para carimbar a história da política brasileira. Depois de 30 anos de belas vitórias, muitas loucuras, falcatruas e numerosas prisões, o PT naufragou de Norte a Sul do País. Não sobrou nenhuma liderança. Lula esta lá, em São Bernardo, escondendo-se da Polícia Federal. Dilma não quer ficar em Porto Alegre, mas, fora de lá, não tem onde se esconder. José Dirceu, Palocci, Vaccari, não podem atender o telefone. Preso não atende telefone. Não sobrou ninguém. Nem o talentoso ex-ministro Tarso Genro, porque ninguém quer papo com ele.
Perder São Paulo já seria uma derrota dolorosa, mas compreensível. O que é inexplicável é o PT, depois de tantos mandatos, ser escorraçado da capital, sem conseguir sequer chegar a um segundo turno. Nem isso. Foi derrotado, humilhado e ofendido.

O retrato
Com exceção do distante, minúsculo e boliviano Acre, em todos os estados onde tentou disputar alguma coisa foi varrido pelos eleitores. Não se salvaram nem o Rio Grande do Sul, onde já teve berço e cama. Nem o ABC paulista, com seus numerosos sindicatos e alguns outrora poderosos diretórios políticos, e sequer no Nordeste que já foi um dia proclamado como território sagrado do partido. De tanto esconder-se, dele, os eleitores e as urnas se esconderam. Como a Itabira do poeta o PT ficou reduzido a um retrato na parede. Mas, como dói.
Algum tempo vai ser preciso, mas logo, logo o País sentirá o alívio que foi o sumiço do PT. Chegará ao fim a ladainha escondida atrás de discursos demagógicos, explorando a ingenuidade popular. Nunca mais ninguém dirá que nunca antes, na história, deste país houve alguém como ele ou que é mais honesto que Jesus Cristo.

Novos tempos
Parece pressa, mas chegou a hora. O Congresso tem o dever de começar uma reforma política, para ficar pronta antes de 2018. Houve avanços, mas ainda são poucos. Acabar com o financiamento empresarial das eleições foi um salto. Mas, não basta. É preciso regulamentar o financiamento individual, para que espertos não finjam estar dando dinheiro que é dele quando não é.
Muita coisa há para reformular. Por exemplo: por que não começar a discutir um sistema parlamentarista que seja integral ou ao menos um que seja misto? O pais está maduro para esta reforma. Mais urgente ainda é acabar com o vergonhoso carnaval dos partidos. Cinquenta partidos (funcionando ou a funcionar) tornam a democracia um fantoche. Eles passam a ser fundados ou a existirem apenas em função da teta gorda do fundo partidário e dos negociáveis tempos de TV e de rádio.
Mais de 10 partidos já seriam um exagero e 50? Tornam-se um sórdido balcão de negócios. É claro que essas coisas não se implantam do dia para a noite. Mas, na hora em que algumas dezenas de parlamentares sérios, que existem no congresso, se dispuserem a preparar um projeto de cláusula de barreira, como existe em todas as democracias, a pressão da opinião pública virá irresistível. É preciso querer e fazer.
O excelente deputado Miro Teixeira tem tempo, independência e autoridade para começar essa dura batalha.
A escravidão também jamais iria acabar. Mas, um dia, acabou.

outros destaques >>

Facebook

Twitter