sexta-feira, 19 de julho de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Outros dois diretores da Apex serão demitidos

Cláudio Humberto

Colunista - Geral

quarta-feira, 10 de abril 2019

Imprimir texto A- A+

Faça dos nossos filhos e netos, melhores que seus pais e avós
Presidente Jair Bolsonaro, ao empossar o ministro da Educação, Abraham Weintraub

Além do presidente, outros dois diretores da Apex Brasil (Agência de Promoção de Exportações), Letícia Catelani e Márcio Coimbra, também devem ser mandados embora. Eles ambicionavam o comando da agência e travavam uma batalha com o embaixador Mário Vilalva, exonerado ontem. Ambos têm sido criticados no Planalto por serem capazes até de parar o trabalho na tentativa de assumir a presidência.

Planalto ignorado
Emparedado, Vilalva pediu ajuda do Planalto, que destacou um general para pôr ordem na casa. Mas, ele também acabou emparedado.

Assim não dava
Vendo-se inviabilizado no cargo, Vilalva passou a insultar de “desleal” e “ardiloso” o chanceler Ernesto Araújo, que o nomeara. Foi demitido.

Trombada com vítima
O primeiro presidente da Apex, Alex Carreiro, durou seis dias no cargo: ele trombou com Letícia Catelani, que pretendia ser a presidente.

Estão 90% fora
Sobre chances de Catelani e Coimbra serem demitidos, autoridade com gabinete no Palácio do Planalto cravou sem hesitações: “90%”.

Painéis de debate
O evento será marcado por dois painéis de debate, com a presença de especialistas e autoridades como o ministro Santos Cruz (Governo).

Razões da paralisia
A pesquisa da CBIC indicará que as obras foram paralisadas por falta de recursos ou em razão de escândalos de corrupção, por exemplo.

Setor produtivo
O levantamento das obras paralisadas e o evento que divulgará o estudo têm apoio de entidades como Asbraco, Ademi e Sinduscon-DF.

Ratinho bem na foto
Os paranaenses estão de bem com os governantes. Levantamento do Paraná Pesquisa revela que 78,4% aprovam o governo de Ratinho Júnior e 64% aprovam o de Jair Bolsonaro. Foram entrevistados 2.508 eleitores em 91 municípios do Paraná entre os dias 3 e 7 de abril.
Classificados
Sede do maior escândalo de corrupção da História, a Petrobras tenta se capitalizar vendendo ativos. A bola da vez é a distribuidora Liquigás. Tá feia a coisa: ontem, estatal voltou a pregar aviso sobre a venda.

Pegou mal
A Braskem, cuja extração de sal-gema do subsolo em região com falha geológica ameaça afundar bairros com 30 mil moradores, em Maceió, contratou Sérgio Bermudes, o mesmo advogado da Vale, cuja barragem rompeu e matou quase 300 pessoas na barragem de Brumadinho.

Dedo na ferida
Gerou pânico o pedido da procuradora-geral, Raquel Dodge, para o STF priorizar ação que acaba com honorários de advogados públicos. Sindicalistas dizem que a PGR “ataca” advogados públicos após o MPF ter o fundo bilionário com dinheiro da Lava Jato linchado publicamente.

Sabotagem em curso
A oposição, que age segundo os interesses dos privilegiados do setor público, faz tudo para sabotar ou protelar a reforma da previdência. Até pediu vistas do relatório sobre a PEC, antes mesmo de ser lido.
Que ambiente…
Relator da PEC da previdência, Marcelo Freitas (PSL-MG) começava a ler seu parecer na CCJ, quando o Delegado Waldir (GO) se posicionou para protegê-lo da aproximação de deputadas do PT. “Não deixa roubar o relatório!” gritaram da plateia. Seguro morreu de velho.

Bolsonaro, 100 dias
O governo do presidente Jair Bolsonaro completa 100 dias hoje. Entre as 35 promessas da “Agenda de 100 Dias do Governo” muitas foram cumpridas, como a extinção de 21 mil comissionados, privatização de aeroportos, o pacote anticrime e 13o salário do Bolsa Família. Já ações como a volta do Brasão da República à capa do passaporte e “promoção da ética” nas escolas, foram adiadas.

Inauguração virtual
Ao chegarem hoje cedo na feira da Ceilândia, grande cidade do Distrito Federal, milhares de pessoas descobrirão que têm conexão wifi rápida e gratuita. Promessa de campanha do governador Ibaneis Rocha.

Pensando bem…
…demissão não é crise, é gestão de pessoas.

Há alguns anos, o ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP) foi conhecer o Círio de Nazaré, em Belém (PA). Com pose de atleta, ele se meteu a puxar a corda, ao lado de milhares de fiéis, e se deu mal, muito mal. O ex-deputado paraense Babá (Psol) relatou com graça a cena a que assistiu: “Suplicy foi ejetado em quinze minutos. A força na corda é descomunal.” Não por acaso, quando soube que a colega Heloísa Helena iria ao Círio, Suplicy advertiu: “Cuidado com a corda…”

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter