segunda-feira, 18 de março de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Promoção não é absurda; absurdo é mantê-la

Cláudio Humberto

Colunista - Geral

quinta-feira, 10 de janeiro 2019

Imprimir texto A- A+

[A atuação] deve ser resguardada
Presidente do STF, ministro Dias Toffoli, fundamenta a decisão de manter o voto secreto na eleição da Mesa Diretora da Câmara

A promoção mais parece ter prejudicado que ajudado a carreira do filho do vice-presidente Hamilton Mourão no Banco do Brasil. Ainda não está claro se o “upgrade” foi produto de carteirada, de puxa-saquismo ou se a ideia era desgastar o novo governo. Rossel Mourão trabalha do BB há 19 anos. Era Assessor Empresarial e pulou para Assessor Especial da presidência do banco. A promoção não é exatamente absurda. Absurdo é mantê-la, desgastando o governo. Bolsonaro não foi eleito para isso.

Não gostou
O presidente Jair Bolsonaro não gostou nada da nomeação. E deixou clara a sua insatisfação no expediente da tarde desta terça, no Planalto.

Todos sabiam
Nem mesmo o Palácio do Planalto pode alegar que não sabia da promoção de Rossel: só foi sacramentada apos o “OK” da Casa Civil.

Mão amiga
A promoção de Rossel Mourão foi aprovada no conselho diretor do BB, mas sacramentada pelo seu novo presidente, Rubem Novaes.

Não é moleza
A nova posição do filho de Mourão é vistosa, mas não uma moleza: seu ocupante fica sujeito a todo tipo de faniquitos internos e externos do Banco do Brasil.
Tem mais
Existem dois tipos diferentes de cartões, além do CPGF. Um para emergências de Defesa Civil e outro para Compras Centralizadas.

Total dos cartões
No total, os três tipos de cartões de crédito do governo federal custaram mais de R$ 235,2 milhões.

Centrais e caras
O tipo de cartão do governo que mais custou ao contribuinte em 2018 foi o de Compras Centralizadas; R$ 136,1 milhões.

Primeiro-ministro
O ministro Sérgio Moro (Justiça) chegou ao Palácio do Planalto nesta quarta, às 10h32, e foi direto despachar com aquele que cada vez mais assume papel de um primeiro-ministro: Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

Tudo estranho
Em nota interna, a direção do Banco do Brasil informou a funcionários que o filho de Mourão é “da confiança” do novo presidente do banco, Rubem Novaes. Para ele “o que é de se estranhar” é Rossel Mourão “não ter alçado postos mais destacados no banco, no passado”.

Mão de esquerda
Representante do agronegócio, único setor da economia que há décadas só dá boas notícias ao Brasil, a ministra Tereza Cristina (Agricultura) é “de direita”. Lorota, ela é canhota desde criancinha.

Reforma é consenso
Mais de dois terços dos brasileiros (68,6%) acham que o presidente Jair Bolsonaro deve reformar a previdência, segundo levantamento Paraná Pesquisas. Mas, entre os aposentados e aqueles que estão mais próximos de se aposentar (com mais de 45 anos), o apoio vai a 71%.

Pela culatra
Não era o intuito, mas o destaque da nota de repúdio contra Jair Bolsonaro por cogitar o fim da Justiça do Trabalho da Frentas (associação de juízes e membros do MP), foi a revelação do número de juízes e procuradores pagos pelo contribuinte brasileiro: mais de 40 mil.

CPP com Moro
O presidente da comissão especial do novo Código de Processo Penal na Câmara, Danilo Forte (PSDB-CE), e o relator, João Campos (PRB-GO), apresentaram pontos do projeto ao ministro Sérgio Moro (Justiça), incluindo a execução de pena após a condenação em segunda instância.

Na saída
Um dos últimos atos do ex-presidente Michel Temer foi o corte gradual, 20% ao ano, de subsídios para irrigação rural, água e esgoto. Em cinco anos, a redução para o consumidor de energia será de R$ 12,6 bilhões.

Povo mais feliz
Os ares parecem mesmo ter mudado. No Brasil, a ‘alegria’ se reflete na alta de 60% nos pedidos de autorização para blocos de rua no Carnaval de São Paulo. A previsão é de 570 blocos para 15 milhões de foliões.

Pensando bem…
…quem tem vice, tem medo.

Gaúcho com a faca na bota, o general e ex-governador Flores da Cunha achou, certa vez, numa corrida de cavalos, que o jóquei fora desonesto.
– Você roubou a corrida, seu safado! – Ladrão é sua mãe! – reagiu o jóquei, para a perplexidade geral.
– Muito bem, você reagiu como homem – surpreendeu Flores da Cunha – Se outra tivesse sido sua resposta, confirmaria que era um canalha.
Cumprimentou o jóquei e foi embora.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter