31 C°

domingo, 25 de junho de 2017.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Quem quebrou o Brasil

Sebastião Nery

Nacional

terça-feira, 20 de dezembro 2016

Imprimir texto A- A+

Fim de ano, tempo de sabedorias. Comecemos então de longe. Platão, supersábio, na “Apologia de Sócrates”:
– “O juiz não é nomeado para fazer favores com a justiça, mas para julgar segundo a lei”. (Como o irrepreensível juiz Sérgio Mouro).
E Dante, superpoeta :
– “Per me si va nella cittá dolente, / Per me si va all’eterno dolore, / per me si va tra la perduta gente. / Lasciate ogni speranza voi ch’entrate.”
Séculos mais jovem, o ex-deputado e professor paranaense Helio Duque adverte que o país está entre uma agenda política e uma agenda econômica:
– Pela gravidade da crise econômica e financeira em que o populismo mergulhou o País, é na agenda econômica que os políticos brasileiros deveriam priorizar com responsabilidade e urgência. É preciso dizer, com todas as letras, que os Estados e a União estão quebrados. O que os distingue é que o governo federal, ao contrário dos estaduais, pode emitir títulos para saldar os seus compromissos financeiros. A década de irresponsabilidade fiscal, com o gasto público atingindo 45% do PIB, para uma arrecadação tributária de 36%, gerou a quebradeira geral. A recessão econômica era questão de tempo. Quando os governos Lula e Dilma, com consequências perversas, aumentaram irresponsavelmente os gastos públicos, a maioria dos brasileiros contemplava e apoiava a farra fiscal.
Aqueles governos detonaram os fundamentos da economia construídos penosamente a partir do Plano Real. A relativa robustez que ele gerou, externamente ganhando o grau de investimento, significando bom pagador e internamente com a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros, foi abandonada. Em seu lugar colocaram uma política econômica fundamentada em abrir o cofre e gastar em um expansionismo fiscal enlouquecedor.
Eliminado o superávit primário, o déficit nas contas públicas determinou o descontrole da dívida pública que cresceu entre 2008 a 2015 em R$ 2,2 trilhões, certamente para alegria do sistema financeiro nacional remunerado regiamente com taxa de juros que atingiu 14,25% ao ano.

Equipe
O atual governo foi feliz ao compor uma equipe econômica de gente competente, mas não tem na área política o seu correspondente. A sua atual base parlamentar, na maioria, participou da farra populista que levou o Brasil à tragédia. Se na oposição os seus porta-vozes, grandes responsáveis pela tragédia econômica, eximem-se da responsabilidade, os apoiadores do governo, em grande número, demonstram serem adeptos do “é dando que se recebe”. A Proposta de Emenda Constitucional que limita o crescimento do gasto público à inflação passada, exigiu negociações pesadas.
Caos
A aprovação da PEC dos gastos foi um avanço. A equipe econômica terá condições de reverter, em médio prazo, o caos econômico. Nesse cenário desesperador é fundamental, nas manifestações de rua que se multiplicam pelo País, cobrar dos administradores públicos e dos políticos o espírito público. A recuperação dos valores perdidos em tempo recente é fundamental. Antes de melhorar o cenário econômico e social ainda haverá relativa piora. A sua superação passa pelas reformas inadiáveis que precisam ser feitas e nelas a maior responsabilidade é da classe política.

outros destaques >>

Facebook

Twitter