segunda-feira, 19 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Secessão à nordestina

Fernando Maia

Colunista - Política

segunda-feira, 12 de agosto 2019

Imprimir texto A- A+

 

No Brasil, quando se vê uma crescente tendência de união dos nove estados do Nordeste contra o Governo Federal alegando discriminações, e atingindo diretamente os demais estados, vale a pena nos transportar aos Estados Unidos da América, onde, entre 1861 e 1865, os estados do Sul e do Norte se engalfinharam na chamada Guerra da Secessão, conflito fratricida em que foram ceifadas mais de 600 mil vidas na grande Nação do Norte. Agora, temos uma séria ameaça de uma Secessão à brasileira, punindo governadores de estados em que o presidente Bolsonaro foi derrotado. As motivações são diferentes: nos EUA, era a resistência do Sul à libertação dos escravos pelo presidente Abraham Lincoln. Aqui, os escopos são a extinção de entidades como Sudene, Dnocs, BNB e outros. A democracia do presidente Bolsonaro tem atingido duramente o Nordeste com atos e palavras que nos fazem duvidar da existência de ações igualitárias e justas para a região. Hoje, os nordestinos não podem apontar uma perspectiva segura na medida em que prevalecer entre nós a desconfiança dos povos oprimidos. É bom lembrar que o Nordeste já esteve próximo do separatismo com a Confederação do Equador, movimento emancipacionista e republicano em decorrência do descontentamento com a centralização política imposta por D. Pedro a Constituição de 1824. Que essa ameaça não volte a desequilibrar a unidade que todos nós amamos e esperamos que seja eterna.

Hora do pacto. É preciso aproveitar os debates que reúnem presidentes de Assembleias Legislativas do NE, para se colocar como prioridade absoluta o Novo Pacto Federativo, sem o qual não haverá equilíbrio fiscal para a maioria dos estados e municípios. É o que defende o deputado José Sarto (PDT), presidente da Assembleia Legislativa do Ceará e secretário-geral do ParlaNordeste.

Pelos idosos. A propósito do ParlaNordeste, foi das produtivas a reunião em Aracaju-Sergipe, com a priorização de temas cruciais para o desenvolvimento dos estados e municípios da região nordestina. Do encontro resultou a elaboração da Carta de Aracaju, com destaque para a criação do Fundo Municipal para Idosos.
Até isto!. Defensor do uso medicinal da maconha, o senador Eduardo Girão (PODEMOS) faz uma séria advertência: a proposta gaiata da liberação da “maconha recreativa”, haverá grande corrida por essa cultura. Tem mais: entre os interessados pela maconha medicinal, o genro do presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa Filho…
De grão em grão. Na sua dura missão de reconstruir o destroçado PSDB de Fortaleza, (que já teve 13 vereadores e agora só tem um), o ex-deputado Carlos Matos prossegue o seu trabalho de “formiguinha” com a realização das “Rodas de Conversa”, encontros com lideranças visando eleger ao menos três vereadores em 2020.
Álvaro Melo. Na semana passada, o Ceará amargou mais uma grande perda no campo do Direito, com o falecimento do jurista Álvaro de Melo Filho, internacionalmente consagrado. Foi consultor jurídico da Fifa, além de ter se destacado como um dos principais responsáveis pela aprovação e implantação da Lei Pelé e Lei Zico.
Segurança hídrica. Graças à boa situação do crédito do Estado do Ceará, a diretora do Banco Mundial, Paloma Cafera, confirma empréstimo ao Estado de US$ 139 milhões, ou seja, de R$ 500 milhões, destinados exclusivamente à segurança hídrica.
Deduções e alíquotas. Campanha mentirosa acusa o governo de querer acabar com deduções de Educação e Saúde no Imposto de Renda. O alvo é diminuir em 5% a alíquota, vetar deduções de ricos cujos filhos estudam em colégios milionários, mantendo deduções para contribuintes pobres.

“É grande injustiça, homens da política querendo menos mulheres candidatas. Se estas fossem maioria, haveria muito menos corrupção”. Deputada Tábata Amaral. (PDT-SP).

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter