32 C°

segunda-feira, 30 de novembro de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Arte + Agenda

Todos podem contribuir nesta luta’, diz Lázaro Ramos sobre especial ‘Falas Negras’

sexta-feira, 20 de novembro 2020


Num ano em que manifestações antirracistas se espalharam pelo mundo -nas ruas e nas redes sociais-, o Dia da Consciência Negra ganhou um destaque inédito. Pelo menos na TV aberta, a reflexão sobre a questão racial não vai passar batida com a exibição na Globo do especial “Falas Negras”, nesta sexta-feira (20) a partir das 23h.

Reprodução

“2020 foi um ano de debates mais intensos sobre a equidade racial. E esse especial vem inspirado neste ano”, afirma Lázaro Ramos, 42, que dirige a produção, à reportagem. “Um ano que nos disse que a gente tem que olhar com maturidade para nossa história e tentar pensar no nosso futuro.”

A produção mostra a história de 22 personalidades históricas que tiveram envolvimento com a luta pela igualdade racial, como Martin Luther King, Malcom X e Angela Davis. Elas são narradas em primeira pessoa por atores negros interpretando esses personagens, que viveram entre os anos de 1600 e a atualidade.

“É preciso ter coragem para olhar para a história do mundo que está ali selecionada, a partir de uma pauta, que é a história da luta pela igualdade contra o racismo”, avalia o diretor. “Tentamos acrescentar a nossa emoção, a nossa intenção é que as pessoas se emocionem e se envolvam. E, a partir da emoção, entendam que é um convite para ação e que todo mundo pode contribuir nesta luta.”

Ramos afirma que foi difícil trabalhar com toda a equipe com o rosto coberto por máscaras, já que o especial foi gravado já em tempos de pandemia. “Você não vê o rosto para ter aquela confraternização constante”, explica. “Eu estranhei muito, mas, por outro lado, foi um processo muito emotivo.”

“Uma coisa bonita que aconteceu é que na impossibilidade do abraço e do beijo, as palavras brotam”, diz. “Toda vez que a gente ia celebrar ou declarar alguma satisfação era com palavras que se fazia isso. E isso aconteceu também na gravação. É um novo momento, um novo jeito de se relacionar e trabalhar.”

Mais conhecido como ator, o diretor diz que tem gostado muito de trabalhar também detrás das câmeras, mas garante que vai continuar dividindo os dois ofícios. “Ser ator é minha essência. É o lugar onde eu me sinto mais completo”, afirma. “Inclusive, estou com saudade, mas a direção veio para ficar. É uma coisa que eu farei para sempre.”

Embora não tenha atuado neste projeto, ele respondeu qual personagem teria escolhido para interpretar no especial. “O mais óbvio seria o Martin Luther King, que eu faço há vários anos [no teatro], mas, desde os primeiros momentos, eu quis ver outro ator fazendo”, revela. “Confesso que eu gostei especialmente de James Baldwin, escritor que fala de um jeito muito especial, e eu fiquei com vontade de dizer aquele texto.”

O papel ficou com Angelo Flavio. Além dele, o elenco conta com nomes como Aílton Graça, Babu Santana, Fabrício Boliveira, Izak Dahora, Mariana Nunes e Silvio Guindane. E também Taís Araújo, mulher de Ramos, interpretando Marielle Franco, a vereadora do Rio de Janeiro que foi assassinada em 2018 em circunstâncias ainda não totalmente esclarecidas (os mandantes do crime nunca foram identificados).

A atriz conta que sentiu muita responsabilidade por interpretar alguém cuja família possivelmente vai estar assistindo ao especial. “Essa é uma das grandes dificuldades de fazer a Marielle”, admite. “É uma personagem que está muito viva na nossa memória. Mas é um desafio muito interessante.”

E houve um trabalho de preparação para tentar se aproximar aos trejeitos de Marielle. “Estudei e fiquei observando muitas entrevistas dela”, lembra. Porém, a atriz conta que percebe pelo menos uma coisa que aproxima as duas. “De Marielle, o que eu tenho é o desejo de mudança, o desejo de um país que seja bom para todo mundo.”

Outros personagens contemporâneos que aparecem no especial são baseados em histórias de muita repercussão neste ano. A autora Manuela Dias, de “Amor de Mãe”, idealizou o projeto justamente por ter se sentido tocada por algumas delas.

“Tive a ideia do especial no meio do ano quando, em semanas consecutivas, assassinaram João Pedro [no Rio de Janeiro], George Floyd [nos EUA] e o menino Miguel [no Recife]. Dois deles assassinados pela polícia e o pequeno Miguel assassinado pelo descaso proveniente do racismo e classismo de uma mulher que abandonou uma criança de cinco anos em um elevador sozinho”, conta. “Esses acontecimentos mexeram muito comigo. Foi desse incômodo absoluto que nasceu o ‘Falas Negras’.”

Na época, ela estava adaptando os últimos capítulos da novela das 21h, que teve sua exibição interrompida pela pandemia, para a retomada das gravações. “Assim que eu entreguei o último bloco da novela, tive dez segundos de férias (risos) e comecei a selecionar e alinhavar os depoimentos, criando a dinâmica do roteiro”, afirma.

Além de convidar Ramos para a direção, quando o projeto foi aprovado ela contou com o apoio de Thaís Fragozo na pesquisa e da antropóloga Aline Maia, que foi consultora do projeto. “A pesquisa foi muito extensa e não foi fácil selecionar os personagens”, lembra. “Porém, tínhamos algumas premissas, teriam que ser falas documentadas e que tivessem a possibilidade de serem ditas pelos atores de forma natural.”

Dias, que é branca, diz que não teve receio de seu envolvimento com o projeto ser mal recebido pela comunidade negra. “Acredito que a urgência de que essas vozes sejam ouvidas na maior emissora do país, no horário nobre, é maior que tudo”, avalia.

“Quando a novela foi interrompida pela pandemia, me perguntaram se eu estava frustrada com a interrupção… Mas diante de mais de 150 mil vidas interrompidas no Brasil, não existia espaço para pensar na minha frustração pessoal sobre interromper ou não uma novela”, compara. “As urgências do mundo são infinitamente maiores do que qualquer questão pessoal que eu possa enfrentar.”

De fato, o especial se soma a uma série de esforços para que a equidade racial seja uma realidade cada vez mais próxima. Mas como fazer para que esse assunto não seja pauta apenas no mês da Consciência Negra? Para Lázaro Ramos, quem vive o racismo na pele não pode esperar até o próximo mês de novembro para que a temática ganhe importância novamente.

“É uma pauta que está no meu ano, o tempo todo, até quando eu não estou pensando nela”, conta. “Eu esbarro com essa pauta todos os dias na minha vida, com as pessoas que falam comigo na internet, com as conversas que eu tenho despretensiosas com a minha família e meus amigos. Ela me toma de assalto todos os dias. Até quando eu queria estar somente pensando em outras coisas.”

“Mas como manter o interesse? Eu penso que se relacionando. Quando nos relacionamos, a gente consegue cotidianamente pensar nas pautas do mundo”, diz. “Muita gente se isola, se afasta, fica cheio de verdades que quer falar para o mundo, e se esquece de se relacionar, que é observar, dá tempo para escutar uma situação, ouvir um pouco e depois produzir uma resposta. E isso afeta não só a questão racial. Afeta tudo o que diz respeito a conviver em sociedade.”

“Entendendo que essa não é uma questão exclusiva da população negra, e, inclusive, nem foi uma questão produzida e inventada pela população negra”, completa Taís Araújo. “Portanto, somos todos parte do problema e da solução.”

Fonte: Folhapress

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com