32 C°

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Colunista - Rubens Frota

TURISMO

segunda-feira, 06 de outubro 2014

O advogado e jornalista Sabino Henrique assumiu, na última sexta-feira (3), em São Paulo, durante o evento da Confederação Nacional do Turiso (CNTur), a presidência do Conselho Estadual das Entidades de Turismo do Ceará (ConCNTur), para o período 2014/2016. A entidade sindical patronal foi reconhecida através de ato do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), publicado no Diário Oficial da União (DOU), de 28 de janeiro de 2009. Com isso, desvinculou a atividade turística da representação eclética do comércio. No último dia 30 de setembro, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a decisão do ministro Teori Sawaski, que negou provimento ao recurso interposto pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), mantendo a CNTur como única, legítima e legal representante do setor do turismo em todo o território brasileiro. Através desta decisão, o STF reconhece o turismo como atividade econômica própria, ao contrário do que pretendia a CNC e suas respectivas federações, Fecomércio, nos estados.

• 1 – Eleições são sempre um teste para a qualidade da democracia. Ajudam a que se visualizem as falhas e virtudes do sistema político. Fornecem um observatório para que se estudem os humores e expectativas sociais, o sucesso ou insucesso das políticas públicas, os traços da cultura política que orienta a luta interpartidária, os projetos de sociedade que estão sendo oferecidos aos cidadãos pelos políticos e por seus partidos.

• 2 – As disputas deste ano ocorreram em clima de “normalidade” e é de se esperar que os vitoriosos sejam diplomados, tomem posse e recebam, ao menos nos primeiros meses, a confiança e o apoio do conjunto da população.

• 3 – Na cidade em que se pode encontrar tudo, não se conseguiu achar a política com “P” maiúsculo. A disputa entre PT e PSDB não teria como deixar de ser tensa, ainda que pouco houvesse de substantivo a diferenciar os combatentes.

• 4 – Mas foi vivida como se estivesse a decidir a derradeira batalha de uma guerra que se deseja sem fim porque se imagina que é ela que organiza a política nacional. Esse aumento meio artificial da pintura terminou por travar o debate e empobrecê-lo.

• Unificado – A Receita Federal informou que, a partir de 20 de outubro, as certidões que fazem prova da regularidade fiscal de todos os tributos federais, inclusive contribuições previdenciárias, tanto no âmbito da Receita Federal quanto no âmbito da Procuradoria da Fazenda Nacional, serão unificadas em um único documento.

• Unificado II – Com a unificação, o contribuinte poderá obter o documento que atesta sua situação fiscal perante a Fazenda Nacional, o que simplifica o procedimento para o contribuinte e diminui o custo da máquina administrativa; com apenas um acesso.

• Imóveis – Na cidade de São Paulo, foram vendidos 1.797 imóveis novos no mês de agosto. Uma queda de 48% em relação ao mesmo período de 2013 segundo pesquisa do sindicato da habitação, Secovi.

• Ajustes – Depois da forte alta de preços dos últimos anos, o mercado imobiliário passa por uma fase de ajustes. Segundo o índice FipeZap Amplicado, da Fundação Fipe, em setembro, a alta do preço médio anunciado do metro quadrado nas 20 cidades pesquisadas, de 0,55%, ficou acima da inflação esperada para o mês. Já em 12 meses, a variação acumulada, de 9,16%, é a menor desde 2011.

• Dólar – Depois de bater os R$ 2,50 no início dos negócios, em um pregão de bastante volatilidade, o dólar fechou a semana em queda de 1,20%, cotado a R$ 2,4618 na sexta-feira.

• Celebrando – A quebra de tradição dos casais brasileiros tem se tornado uma oportunidade de negócio para as empresas que fornecem serviços e produtos voltados para os noivos e as festas de casamento. Maio não é mais o mês das noivas e 39% dos matrimônios celebrados no país acontecem nos quatro últimos meses do ano.

• Casamentos – Segundo o IBGE, a temporada de casamentos no Brasil começa em setembro e, com ela, se inicia uma época de lucro para o segmento que fornece produtos para as cerimônias e recepções, como os bufês, uma atividade que cresceu 412% nos últimos sete anos de acordo com levantamento inédito do Sebrae.

• Buffet – O Brasil tem hoje 21.958 pequenas empresas que fornecem serviços de alimentação para eventos e recepções, número cinco vezes maior que o de 2007, quando o Brasil tinha 4.285 pequenos negócios no segmento de bufês.
 

hoje

Mais lidas