32 C°

terça-feira, 10 de dezembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Economia

Perdas no varejo cresce 7% em 2018, e soma R$ 21,46 bi em prejuízos

terça-feira, 16 de julho 2019

O índice de perdas no varejo brasileiro cresceu. Depois de três anos consecutivos em declínio, voltou a subir e atingiu a marca de 1,38% do faturamento líquido do varejo brasileiro, totalizando R$ 21,46 bilhões em prejuízos, desperdícios. Na média, perderam 1,38% do faturamento líquido de R$ 1,55 trilhão do varejo restrito, registrado em 2018 pelo IBGE. Com base no cenário retratado na pesquisa, estima-se uma perda projetada para todo o varejo de R$ 21,46 bilhões. No período anterior houve uma média menor, de 1,29%, ou seja, houve um aumento de 7% de um ano para o outro, segundo pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe).

Dos segmentos analisados, supermercados, perfumarias e esportes – com médias de 2,05%, 1,92% e 1,8%, respectivamente –, foram os únicos que registraram índices de perdas acima da média nacional. Em seguida, vêm moda (1,18%), drogarias (1,09%), construção/lar (1,02%), atacado e atacarejo (0,99%), livrarias/papelarias (0,91%), magazines (0,88%), calçados (0,70%) e eletro/móveis (0,46%). A estreante na pesquisa, lojas de departamento, apresentou índice de perda de 0,62%.

Entre as causas-raiz das perdas, quebras operacionais lideram com 36%. Em seguida, aparecem furto externo com 20% e erros de inventário com 13%. Entre os problemas que integram as quebras operacionais, vencimento de produtos aparece em primeiro lugar com 24%, deterioração/perecibilidade com 18% e produtos danificados por funcionários com 12%.
O estudo registrou a maior quantidade de companhias varejistas participantes entre todos os estudos já desenvolvidos no país até então. Sob a coordenação do presidente da Abrappe, Carlos Eduardo Santos, o estudo realizado em parceria com a EY analisou os dados de 113 varejistas, de 12 segmentos diferentes: Atacados e Atacarejos, Calçados, Construção/Lar, Drogarias, Eletro/Móveis, Esportes, Livrarias/Papelarias, Lojas de Departamento, Magazines, Moda, Perfumarias e Supermercados.

hoje

Mais lidas