32 C°

segunda-feira, 30 de novembro de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Esportes

‘Estamos sobrevivendo’, diz dirigente do Santos do Amapá em meio a apagão que assola estado

sexta-feira, 20 de novembro 2020

Racionamento de energia, poucas horas de sono, água em escassez, dificuldades para fazer refeições e isolamento no centro de treinamento. Essa é a realidade vivida pelo elenco do Santos, do Amapá, em meio ao apagão no estado que já dura 16 dias. Mesmo com tantas adversidades, o time segue em atividade na Série D do Campeonato Brasileiro.


Na última terça-feira, em um jogo à tarde, em horário modificado, o Santos-AP venceu o Sinop por 3 a 0. Às pressas, o elenco deixou o estádio Zerão, em Macapá, sob os últimos raios de sol, antes de voltar à escuridão que aflige a população. Para mostrar a situação do clube, a reportagem do UOL Esporte ouviu dois dirigentes do Santos-AP, além do presidente da FAF (Federação Amapaense de Futebol). O sentimento é comum aos três: as dificuldades são imensas, e o trabalho é feito sem expectativa alguma de melhora.
Depois de um segundo apagão total em Macapá na última terça, a cidade voltou ao rodízio de energia. São três horas com fornecimento normal e as três seguintes no escuro. “Está uma coisa de louco, estamos sobrevivendo”, disse Willian Matos, diretor do Santos-AP, que relatou dificuldades para comprar comida, tomar banho e se comunicar por telefone ou aplicativos de mensagem – a entrevista concedida ao UOL Esporte por telefone foi interrompida quatro vezes e complementada por WhatsApp. “O mais difícil agora tem sido o descanso dos atletas. É um cansaço físico e mental. Antes do jogo, os atletas não dormiram bem, mas foram para o jogo. Estão acontecendo muitas manifestações, e nosso CT fica numa rodovia. A gente ficou uma hora no trânsito”, explicou Willian.
O presidente de honra do clube, Luciano Marba, ressaltou que o clube já enfrentava adversidades por causa da pandemia do novo coronavírus. “Com a situação do apagão piorou, muitos jogadores passam a noite sem dormir e precisam treinar de manhã. Estamos vivos na competição aos trancos e barrancos. As dificuldades são todas possíveis e imagináveis”, disse o dirigente, que divulgou um manifesto com críticas ao poder público na noite desta quarta.

Comida
O primeiro apagão no Amapá resultou na perda de 70% de todo o alimento estocado pelo Santos no CT. O clube faz as compras quinzenalmente, e os freezeres estavam lotados. Agora, com o racionamento de energia em curso, as compras são feitas todos os dias, com preços muito acima do normal.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com