32 C°

sexta-feira, 3 de abril de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Esportes

Pressão deve resultar em adiamento das Olimpíadas

domingo, 22 de março 2020

Os organizadores das olimpíadas de Tóquio estão começando a se preparar para um possível adiamento frente à pandemia do novo coronavírus. A informação é da agência de notícias Reuters, que falou sob condição de anonimidade com duas fontes próximas à organização do evento. “Finalmente nos deram o sinal verde para fazer uma simulação do que aconteceria se adiássemos os jogos”, comentou uma das fontes.
A posição oficial do governo japonês e do Comitê Olímpico Internacional (COI) é que o adiamento ainda não está em consideração, e as competições seguem planejadas para julho. A pressão pela prorrogação das Olimpíadas vem aumentando, no entanto, vinda dos próprios atletas e de comitês olímpicos locais dos países participantes – incluindo o órgão brasileiro.
O COB divulgou nota neste fim de semana defendendo o adiamento, citando que atletas não conseguirão “manter seu melhor nível competitivo” em meio a uma pandemia que cancelou treinos e competições esportivas. “A posição do COB se dá por conta do notório agravamento da pandemia da Covid-19, que já infectou 250 mil pessoas em todo o mundo, e pela consequente dificuldade dos atletas de manterem seu melhor nível competitivo pela necessidade de paralisação dos treinos e competições em escala global”, diz a nota oficial da entidade.
A entidade máxima do esporte olímpico defende que ainda é cedo para tomar o que chamou de “medidas drásticas” e por enquanto sustenta que a Olimpíada do Japão terá sua cerimônia de abertura no dia 24 de julho. “Como judoca e ex-técnico da modalidade, aprendi que o sonho de todo atleta é disputar os Jogos Olímpicos em suas melhores condições. Está claro que, neste momento, manter os Jogos para este ano impedirá que esse sonho seja realizado em sua plenitude”, afirma o presidente do COB, Paulo Wanderley.
O COB tem manifestado um tom diplomático para manifestar sua discordância com relação à posição do COI neste momento e “ressalta que a sugestão de adiamento em nada altera a confiança da entidade no Comitê Olímpico Internacional”. “O COI já passou por problemas imensos anteriormente, como nos episódios que culminaram no cancelamento dos Jogos de 1916, 1940 e 1944, por conta das Guerras Mundiais, e nos boicotes de Moscou-1980 e Los Angeles-1984”, diz Paulo Wanderley. “Tenho certeza de que o Thomas Bach, atleta medalha de ouro em Montreal 1976, está plenamente preparado para nos liderar neste momento de dificuldade.”

Paraolimpíada
Para o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), o ex-jogador de futebol de 5 (para pessoas com deficiência visual) Mizael Conrado, “não há qualquer condição” de manter os eventos neste ano. Ele conta que os atletas paraolímpicos estão sendo intensamente afetados pela impossibilidade de treinar e demonstra preocupação com os riscos que eles correm ao tentar manter o nível de preparação.
“Meu entendimento é de que as datas [época do ano] tinham que ser mantidas, mas acontecendo em 2021. Não é fácil, quase oito anos de trabalho [dos japoneses] para realizar uma grande festa, entretanto a gente vive uma pandemia sem precedentes. O mundo está em estado de guerra. Não há como imaginar que o problema vai estar resolvido em julho”, diz ele.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com