32 C°

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Geral

Polícia Civil efetua 131 mandados de prisão no Ceará

quarta-feira, 29 de maio 2019

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) capturou 131 pessoas na segunda fase da Operação Cronos, deflagrada ontem (28). Desses, 125 são adultos e seis são adolescentes. Entre o total de de pessoas capturadas, 58 foram por meio de mandados de prisão por homicídio ou feminicídio e outras 72 pessoas foram presas por participação em crimes diversos. As informações foram apresentadas em coletiva de imprensa na tarde do mesmo dia.
Foi utilizado um efetivo operacional de 667 policiais, distribuídos em equipes compostas por delegados, inspetores e escrivães, com 171 viaturas tendo estado nas ruas para cumprir os mandados de prisão. As ações ocorreram em todos os municípios do Estado. Segundo a instituição, trata-se já de uma das maiores operações policiais do Ceará este ano. As ações, no entanto, não se limitam ao Ceará, com mandados sendo cumpridos em 20 estados e no Distrito Federal. A operação atuou, ao longo do dia, com compartilhamento de informações entre as polícias estaduais e o Ministério da Justiça e Segurança Pública

O delegado geral da Polícia Civil do Ceará, Marcus Rattacaso, destaca que o número de capturas já supera em 35% a quantidade de prisões realizadas na primeira fase da operação, ocorrida em agosto de 2018, quando foram capturados 97 suspeitos. Ele lembra, ainda, que na ocasião o Ceará teve o melhor desempenho no País em 2018 na comparação com os demais estados no que diz respeito ao número de prisões por homicídio, com 68 capturas. A expectativa é de que o resultado se mantenha ao final deste ano.

Segundo ele, no decorrer de ontem só foi possível fazer um levantamento quantitativo sobre os casos, com os policiais devendo fazer um levantamento qualitativo a partir de hoje, de modo que novas informações sobre ocorrências específicas devendo ser divulgadas ao longo do dia.

Logística
Fernando Menezes, diretor do Departamento Técnico Operacional da Polícia Civil, destaca a importância das informações de inteligência levantadas para efetivar as prisões. “A partir de informações levantadas em cada região, elas foram analisadas e transformadas em diligências e está aí o resultado. É um trabalho bastante substancial e mostra o tecnicismo da Polícia Civil na realização de missões especializadas como essa, de cumprimento de mandados de prisão”, conta.

A operação, a nível nacional, iniciou à meia-noite de terça para quarta-feira e terminou às 15h de ontem. No Ceará, no entanto, o delegado geral determinou que os agentes continuassem atuando até as 18h, tendo em vista a quantidade de mandados que ainda faltavam ser cumpridos até o horário estipulado. Por isso, os números divulgados podem já ter sido superados, uma vez que o repasse das informações ocorreu antes do horário de encerramento da operação.

As ações foram realizadas por meio dos Departamentos Técnico Operacional (DTO), de Polícia da Capital (DPC), de Polícia Metropolitana (DPM), de Polícia do Interior Norte (DPI Norte), de Polícia do Interior Sul (DPI Sul), de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de Polícia Especializada (DPE), de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPGV) e de Inteligência Policial (DIP). O nome “Cronos” faz alusão ao fato de que os assassinatos reduzem o tempo de vida da vítima, ao mesmo tempo que a prisão do autor retira dele tempo disponível para a prática de novos delitos.

hoje

Mais lidas