32 C°

segunda-feira, 1 de março de 2021.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Geral

Prefeitura realiza mutirão de limpeza e ações de educação ambiental no Aterrinho da Praia de Iracema

quarta-feira, 08 de junho 2016

acao_educativa_em_comemoracao_ao_dia_mundial_dos_oceanos

A Prefeitura de Fortaleza promoveu, na manhã desta quarta-feira (08/06), um mutirão de limpeza no mar do Aterrinho da Praia de Iracema e uma série de ações de educação ambiental no local. A iniciativa integra a Semana do Meio Ambiente, comemorando o Dia Mundial dos Oceanos e Dia Municipal do Boto-Cinza (golfinho), decretado como patrimônio natural de Fortaleza – Lei 9.949/12. Coordenado pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), da Secretaria de Turismo de Fortaleza (Setfor) e Coordenadoria da Pessoa com Deficiência do Estado, o evento contou com a parceria de várias ONGs e instituições.

“Nessa comemoração do meio ambiente a gente mostra que a natureza não é só verde, é também o cuidado o cuidado com as águas. Nós resolvemos refletir sobre a balneabilidade dos nossos corpos hídricos, a qualidade da nossa praia e o que queremos para o futuro, de forma que a gente atingisse as várias faixas etárias. A gente está muito acostumado em cobrar do poder público a limpeza das águas e, muitas vezes, os alagamentos ocorrem por conta de canais de drenagem entupidos, rios e riachos sujos, que nunca deveria ser poluído. A população deve tomar consciência de que o lixo depositado de forma inadequada vai ser revertido em reações muito negativas para a cidade”, disse a titular da Seuma, Águeda Muniz. A limpeza da faixa de praia de Fortaleza é feita a cada dois meses pela Secretaria e pela ONG Limpando o Mundo.

A programação contou com a limpeza submarina, dentro do projeto Achados do Mar de Fortaleza (escola de mergulho Mar do Ceará, Atlântida Mergulho, Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal), limpeza do espigão (Rapel Ceará), limpeza da faixa de praia e educação ambiental (Seuma e Projeto (A)MAr), exposição de material sobre tartarugas e resíduos (projeto Tamar/ICMBIO), palestra educativa aos Guardiões do Meio Ambiente (31 alunos de escolas da Rede de Ensino Municipal), visita guiada e educativa com as crianças e professores à Ponte dos Ingleses onde, frequentemente, aparecem os botos-cinza (técnicos da Seuma, Semace e Instituto Povos dos Mar), educação ambiental na Praia Acessível (Secretaria de Turismo de Fortaleza (Setfor) e Coordenadoria da Pessoa com Deficiência e finalização da coleta com a exposição inicial de todos os resíduos coletados.

A campanha Achados do Mar de Fortaleza contou com 30 mergulhadores da escola de mergulho Mar do Ceará, da ONG Atlântida Mergulho e do Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal, para coletar resíduos no mar e fazer o cálculo do custo de recuperação ambiental dos danos causados por esses objetos no ambiente natural e exposição dos mesmos com o objetivo de conscientizar a população.

Lídia Torquato, mergulhadora da escola Mar do Ceará, falou da importância de manter o oceano limpo. “Precisamos limpar o mar principalmente devido à fauna aquática. A gente vê muitas mortes de tartarugas, botos-cinza e toda a fauna marinha de uma forma geral. Às vezes as pessoas pensam que o mar é o lixo, ainda há muitos esgotos clandestinos. A gente tira do oceano lixo, rede de pesca, anzol, que continuam matando peixes no fundo do mar”. Segundo ela, em setembro haverá outro mutirão de limpeza na praia.

O trabalho foi complementado por esportistas de rapel, que fizeram a coleta no espigão da Rua João Cordeiro, por um grupo de 50 voluntários que promoverá também a limpeza da faixa de praia, abordando de maneira educativa os banhistas.

Conforme Edilane Muniz, coordenadora nacional do Limpa Brasil, será feita uma exposição dos resíduos tirados do mar hoje no Recicla Nordeste dia 15 de junho e depois segue para Shopping Rio Mar, Rede Cuca e Escolas Municipais. “A gente quer levar a sociedade a fazer uma reflexão da responsabilidade que a gente tem desses itens terem parado no mar, que não é só o que é jogado na orla, mas também nas galerias, que no período de chuva acaba acarretando dano e impacto ambiental dentro do mar. Inclusive a gente vive um surto de dengue em decorrência do lixo que é responsabilidade de todos os cidadãos. Cada um deve fazer sua parte”. O Limpa Brasil está iniciando agora, além da capacitação dos professores, a transformação das escolas num ponto permanente de entrega de material reciclável.

A educação ambiental da população também teve espaço no estande do projeto Tamar e Instituto dos Povos do Mar, que alertava sobre os cuidados para a preservação das cinco espécies de tartaruga que vivem em nosso litoral e distribuindo o Manual de Ecossistemas Marinhos e Costeiros para Educadores. “A gente está tentando fazer um trabalho de conscientização com relação aos resíduos sólidos. Hoje, um dos maiores problemas para as tartarugas marinhas além da pesca predatória é a ingestão de lixo. Muitos animais encalham nas praças ao longo do litoral do Ceará e do Brasil e a causa mortis é ingestão de resíduos sólidos. O animal ingere o lixo, sente que o aparelho digestivo está cheio, para de se alimentar e isso favorece a entrada de várias doenças. Hoje nós estamos mostrando para a população a importância de dar o destino correto ao lixo produzido no dia-a-dia. O que nós temos hoje é bastante saco plástico, tampa de garrafa PET que a tartaruga não consegue distinguir se é lixo ou comida”, disse Eduardo lima, coordenador Regional do Tamar. O projeto salva, por ano, nas cidades de Itarema e Acaraú, de 300 a 400 animais marinhos.

Educadores da Seuma também conversaram sobre Meio Ambiente e Sustentabilidade com os participantes do Projeto Praia Acessível. “Cada história e as vidas que nós estamos transformando que nos motiva. A gente dá um pouco e recebe muito, a gente devolve a autoestima das pessoas. Mais do que promover atividades esportivas, a ideia é integrar quem participa do projeto, que podem passar o dia na praia com elas merecem e têm o direito. Para gente é muito importante ter essa integração também na educação ambiental, para conscientizar os usuários do Praia Acessível que eles também podem fazer parte desse movimento muito importante para a cidade”, declarou Luiz Carlos Machado, coordenador do projeto.

Inaugurado em abril pela Prefeitura de Fortaleza, o projeto oferece espaço de lazer com esteira de acesso e cadeiras anfíbias às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida e já beneficiou 300 pessoas. O local conta ainda com estrutura para vôlei e frescobol adaptados, piscinas, cadeiras e mesas cobertas com toldos, banheiro acessível e itens de segurança. O projeto funciona de quarta a domingo, de 9h às 14h na Praia de Iracema, em frente ao Hotel Sonata.

Tiago Lima, 34, autônomo interessou-se pela exposição de material sobre tartarugas e resíduos e reforçou a importância de ações que promovam a consciência ambiental dos cidadãos. “Eu acho esse projeto interessante, pois tem muita gente que não tem a consciência de jogar o lixo no lugar certo e polui o meio ambiente, trazendo malefícios à fauna, não só às tartarugas quanto aos peixes. Muito relevante essa iniciativa para informar a sociedade”, afirmou.

A Semana do Meio Ambiente teve início na última quinta-feira (02/06) e segue até amanhã (09/06), com Apresentação dos resultados de dois anos do Plano de Arborização e do Sistema de Informações Ambientais de Fortaleza às 15 horas, no Paço Municipal.

Palestra com Escolas Municipais

Alunos da Rede Pública Municipal de Ensino assistiram, no Hotel Sonata, à palestra “O Boto-Cinza: Patrimônio Natural do Município de Fortaleza”, ministrada por Carol Meirelles, da ONG Aquasis.

De acordo com Carol Meirelles a Aquasis trabalha com os botos-cinza em Fortaleza há 20 anos e há uma população de apenas 40 animais em Fortaleza. “Falei aqui sobre a espécie, ambiente marinho e o uso da espécie para proteção de todo o habitat, preservando as tartarugas marinhas e peixes. Muita gente não conhece o boto-cinza. A gente começou a fazer o monitoramento na Praia de Iracema e, ultimamente, como eles começaram a aparecer muito perto do espigão, a população começou a vê-los mais vezes. A população da espécie na cidade é muito pequena e a médio prazo não se sustenta, pois sofre com vários espaços, como poluição e capturas acidentais. O Proder Público e a sociedade devem cuidar do meio ambiente do boto-cinza para cuidar dele”, explicou Carol Meirelles.

Para Pedro Davi, 13 anos, estudante da Escola Cordeiro Neto e coordenador geral dos Guardiões do Meio Ambiente, projeto implantado pela Seuma nas escolas há cinco meses, esta é uma oportunidade de aprender e contribuir para a preservação da natureza. “No projeto Guardiões do Meio Ambiente a gente cuida do meio ambiente da escola, do patrimônio e, além disso, conscientizamos a sociedade, distribuindo cartas, aguando as plantas e fazendo educação ambiental dos menores aos maiores. É importante preservar animais como o boto-cinza para as futuras gerações possam ter o prazer de conhecer espécies que são tão importantes. Para isso, temos que fazer nossa parte ao não jogar lixo no chão e, mesmo que você não suje, coletar o lixo que você vir na rua”.

O Boto-Cinza (Sotalia guianensis) é um pequeno golfinho de coloração cinza, que pode variar de cinza claro ao escuro, com duas faixas de coloração mais claras na lateral. Pela sua importância para o ambiente marítimo de Fortaleza foi decretado como patrimônio natural do município, por meio da Lei 9.949, de 13 de Dezembro de 2012.

Fonte: PMF

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com