32 C°

sexta-feira, 3 de abril de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Mundo

Índia atravessa maior onda de violência em décadas

quinta-feira, 27 de fevereiro 2020

Um conflito religioso entre a maioria hindu e a minoria muçulmana em Nova Déli entrou nesta quarta (26) em seu quarto dia, deixando um rastro de destruição na capital da Índia e ao menos 27 mortos, segundo os serviços de saúde locais. Duas mesquitas foram queimadas na cidade e cerca de 200 pessoas ficaram feridas, na maior onda de violência religiosa a atingir a capital em mais de três décadas.

A continuação do conflito fez o premiê Narendra Modi, um nacionalista hindu, pedir calma aos dois lados. “A paz e a harmonia são fundamentais para nosso espírito. Faço um apelo a meus irmãos e irmãs de Déli para que mantenham a paz e a fraternidade a todo momento”, afirmou ele em uma mensagem divulgada numa rede social.

“É importante que exista calma e que a normalidade seja restabelecida o mais rapidamente possível”, acrescentou o primeiro-ministro, que é acusado por seus críticos de favorecer os hindus (que formam cerca de 80% da população) em seu governo e discriminar os muçulmanos (14%). Em resposta, o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, afirmou que, “quando uma ideologia racista baseada no ódio toma o poder, isto leva a um banho de sangue”, em referência ao nacionalismo hindu simbolizado por Modi.

Com maioria muçulmana, o Paquistão tem uma rivalidade histórica com a vizinha Índia desde que os dois se tornaram independentes do Reino Unido. E essa oposição é, em grande parte, estimulada pelas desavenças religiosas. Presidente do Partido do Congresso, a principal sigla de oposição na Índia, Sonia Gandhi (nenhuma relação com Mahatma Gandhi) pediu a demissão do ministro do Interior, Amit Shah -a pasta é a responsável pela segurança da capital.
O confronto se concentra na região noroeste da cidade e acabou ofuscando a visita do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que chegou na Índia na segunda (24) e foi embora no dia seguinte. O conflito tem como pano de fundo uma polêmica nova lei de cidadania apoiada pelo próprio Modi.

Norma
A norma, aprovada pelo Parlamento em dezembro, determina que hindus e cristãos vindos de países vizinhos que se estabeleceram na Índia antes de 2015 poderão pleitear cidadania por enfrentarem perseguição nos seus lugares de origem. A regra, porém, não vale para muçulmanos, o que despertou críticas contra o governo. Desde a aprovação, eles têm ido às ruas de váris cidades do país para protestar.

O estopim para a violência teria sido a declaração de um político local, Kapil Mishra, do BJP (Partido do Povo Indiano, a sigla de Modi), que no domingo (23) anunciou que a partir desta terça (após o fim da visita de Trump) iria reunir grupos de hindus para atacar muçulmanos contrários à lei que estivessem participando de protestos. Com isso, no próprio domingo muçulmanos e hindus começaram a arremessar pedras uns nos outros, de acordo com o jornal americano The New York Times. Desde então, bairros da periferia de Nova Déli onde moram muçulmanos se transformaram em um campo de batalha. Há relatos de casas, carros, lojas e um mercado incendiados, além de duas mesquitas.

Segundo a agência Reuters, grupos com centenas de hindus armados com pedras, porretes e armas de fogo têm ido até esses bairros para atacar muçulmanos – que afirmam que a polícia não tem impedido a ação.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com