32 C°

sábado, 8 de agosto de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

Pandemia de covid na Europa está longe do seu término

sexta-feira, 03 de julho 2020

A pandemia de coronavírus na Europa “está longe de terminar”, afirmou nessa quinta (2) a diretora da ECDC (agência europeia para o controle de doenças), Andrea Ammon. A agência, que atualizou sua avaliação de risco no continente, ressaltou que ainda há transmissão comunitária na maioria dos países e alguns passam por “grandes surtos localizados”. Com a abertura de fronteiras externas a partir desse mês, há preocupação de que a transmissão saia de controle.
“Os virologistas não estão encantados com a abertura das fronteiras européias. É um perigo. A situação pode mudar da noite para o dia em qualquer país”, disse à mídia belga o principal virologista do país, Marc Van Ranst, nesta semana. De acordo com os números publicados pela ECDC, nos 14 dias encerrados no dia 1º de julho o número de novos casos por 100 mil habitantes cresceu em 16 países da União Europeia, quando comparado com as duas semanas anteriores.

Taxa
A taxa é crescente na Alemanha, Áustria, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, França, Grécia, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Romênia. Desses, cinco países tiveram também um número de casos acima da média da UE na quinzena: Bulgária, Luxemburgo, Romênia, Portugal e Suécia. Os dois últimos estão entre os países com transmissão ativa acompanhados pelo Imperial College e a taxa de contágio calculada para esta semana ficou acima de 1, o que significa que a transmissão está se acelerando.
Segundo a ECDC, alguns aumentos não revelam necessariamente problemas, como os causados pela forma de apuração (por exemplo, aumento de testes, mudanças de metodologia), na definição de casos, ou os de países de população pequena, em que poucos novos casos podem ter peso maior. A agência vê risco moderado para a população em geral nos países em que os casos crescem por causa da retomada de atividade com relaxamento das medidas de precaução, ou por importação de casos (com a abertura de fronteiras). Segundo a ECDC, há “probabilidade muito alta de infecção e baixo impacto da doença”, o que resulta no risco moderado. Já para populações vulneráveis o risco foi considerado elevado: probabilidade muito alta de infecção e impacto muito alto da doença.
A diretora da agência diz que os países devem fortalecer seus sistemas de monitoramento, com testes amplos, rastreamento de contatos e isolamento. “Uma forte estratégia de comunicação de risco deve lembrar aos cidadãos que a pandemia não terminou”, afirmou a ECDC. “É um sistema que deve ser seguido diariamente. . Devemos perceber que o vírus ainda está aqui. Você não vai me encontrar em um avião neste verão. Acho que o risco é grande demais. Meu ponto de vista pessoal? Fique em casa”, afirmou Van Ranst.

Portugal
Após o anúncio de que o Brasil ficou de fora da lista de países que terão entrada liberada na União Europeia na primeira fase de reabertura de fronteiras, o governo de Portugal divulgou orientações específicas para a entrada de voos com origem no país. Desde o dia 1º, passou a ser obrigatório apresentar, antes do embarque, um teste com resultado negativo para o novo coronavírus. O exame deve ter sido realizado “nas últimas 72 horas antes do embarque, sob pena de lhes ser recusada a entrada em território nacional”. A determinação foi em um despacho conjunto assinado pelos ministros de Negócios Estrangeiros, da Defesa, da Administração Interna e da Saúde.
A lista de países com entrada liberada foi elaborada pela UE com base em critérios epidemiológicos. Embora a entrada de turistas brasileiros esteja vetada, há situações em que viajantes com origem no Brasil podem ter entrada liberada. Estão autorizados aqueles que têm cidadania de Portugal ou de outros países da UE e os nacionais de países que fazem parte do espaço Schengen, assim como seus familiares.
Quem tem residência legal em Portugal ou em outro país-membro da UE também está liberado. Cidadãos brasileiros estão liberados apenas em alguns casos: “viagem por motivos profissionais, de estudo, de reunião familiar, por razões de saúde ou por razões humanitárias e de acordo com o princípio da reciprocidade”, segundo o governo. Devido à situação da pandemia, a frequência de voos segue bastante reduzida, com voos apenas com origem no Rio de Janeiro e em São Paulo. As medidas seguem em vigor até 15 de julho, quando serão reavaliadas.
Em meados de março, quando a União Europeia tomou a decisão inédita de fechar suas fronteiras externas, permitiu que cada Estado-membro tivesse a prerrogativa de estabelecer algumas exceções. Portugal sempre manteve, embora com frequência reduzida, os voos com origem no Brasil e em outros países com grande comunidade portuguesa. Apesar da situação epidemiológica brasileira, classificada como muito preocupante pela OMS, o primeiro-ministro português, António Costa, minimizou o risco de importação de casos.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com