32 C°

segunda-feira, 10 de agosto de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Mundo

Relação com Brasil vai além de ideologias de conjuntura, diz Fernández na posse

terça-feira, 10 de dezembro 2019

Em seu discurso de posse, nesta terça-feira (10), o presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que o país deve continuar priorizando o Mercosul e que quer fortalecer a relação com o Brasil.

“Com o Brasil queremos construir uma relação que beneficie a toda a região e ao Mercosul. Com o Brasil, vamos seguir fortalecendo nossa relação e isso é algo que vai muito além das ideologias de conjuntura”, afirmou.

AFP

Enviado de última hora para a cerimônia por Jair Bolsonaro, o vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão, assentiu com a cabeça enquanto ouvia Fernández falar esse trecho.

Mais cedo, Mourão disse a jornalistas que está “contente por representar o Brasil” na posse e que “ambos os países têm de se ajudar mutuamente”.
O vice brasileiro chegou a Buenos Aires na noite de quinta-feira (9), depois de uma decisão do presidente Jair Bolsonaro, e hospedou-se na residência da embaixada do Brasil.

O futuro embaixador do Brasil na Argentina, Daniel Scioli, valorizou a presença de Mourão na posse, dizendo ser um gesto “contundente e muito positivo para a nova relação que começa e, principalmente, para o comércio bilateral”.

Acrescentou, ainda, que pretende, como embaixador, “superar o mal-estar inicial e encerrar a divisão que há entre os dois países”. “As diferenças que tivemos no início devem ficar no passado. Sou um homem de experiência justamente nisso, em promover reconciliações”, disse à reportagem.

O dia da posse de Fernández começou agitado, com a chegada de várias delegações do exterior.

O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, foi para o evento com o presidente eleito de seu país, Luis Lacalle Pou. Mario Abdo (Paraguai) e Miguel Díaz-Canel (Cuba) também estavam presentes.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, cancelou sua vinda, devido ao desaparecimento de um avião na noite anterior.

Já com relação à Venezuela, houve problemas com a chegada do representante de Nicolás Maduro, o ministro da comunicação, Jorge Rodríguez, que está na lista dos funcionários chavistas vetados pelos países do Grupo de Lima. O atual presidente argentino, Mauricio Macri, mantém uma proibição expressa de que ele ingresse no país.

Seu avião, porém, saiu da Venezuela e está por chegar a Buenos Aires, provavelmente antes da posse de Fernández. Ainda não se sabe se sua entrada será permitida.

O ex-presidente equatoriano Rafael Correa era um dos presentes na posse. “Vim aqui para prestigiar o amigo Alberto, mesmo sendo uma vítima de ‘lawfare’, assim como Lula, como Cristina, e sei que vindo aqui corro o risco de ser preso. Mas era necessário vir até para expor esse problema para o mundo”, disse à reportagem. “Não quero me vitimizar, precisamos estar juntos e reunificar a América Latina. Que viva a Argentina”.

Outro ex-presidente de esquerda no evento era Fernando Lugo (Paraguai), que saiu com um processo de impeachment. Entrou sem dar declarações e sentou-se ao lado de Correa.

Bolsonaro mudou de ideia várias vezes sobre a ida à cerimônia. Primeiro, ele disse que não iria. Após consultar sua equipe ministerial, decidiu enviar o ministro da Cidadania, Osmar Terra.
No último fim de semana, resolveu não enviar ninguém e disse que o embaixador brasileiro na Argentina representaria o país. Nesta segunda (9), pressionado por empresários e diplomatas, recuou e decidiu mandar Mourão.
Segundo relatos à reportagem, parlamentares, empresários e diplomatas pressionaram o presidente para que mudasse de postura, alegando que a ausência de um enviado poderia afetar o fechamento de futuros negócios entre os países.

Atualização Jorge Alves
Email: jorgelbalves@gmail.com
Fonte: Agência Brasil

Mais conteúdo sobre:

Brasil Conjuntura Fernández Ideologias Relação

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com