32 C°

sexta-feira, 3 de julho de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario

Mundo

Twitter: presidente Trump incita intimidação a funcionário da empresa

sexta-feira, 29 de maio 2020

Depois de o Twitter classificar como falsas duas publicações do presidente americano, Donald Trump, o republicano lançou na quarta (27) uma campanha de intimidação contra um funcionário da empresa. Conforme o site The Verge, os ataques começaram com uma conselheira de Trump, Kellyanne Conway, chamando o chefe de integridade do Twitter, Yoel Roth, de “horrível” em uma entrevista para a Fox News, e pedindo que os telespectadores fossem atrás dele. Ela havia encontrado alguns tuítes passados do funcionário nos quais ele criticava Trump e ela.
“Alguém em São Francisco vá acordá-lo e diga que ele está prestes a ganhar muito mais seguidores”, disse ela no ar. Logo em seguida, apoiadores de Trump começaram a compartilhar capturas de tela dos posts do funcionário. Roth passou então a receber ameaças de morte e a sofrer assédio e abuso, de acordo com o site Protocol (noticioso fundado pelo mesmo publisher do site Politico).
Na terça (26), a rede social havia adicionado um alerta junto a mensagens falsas nas quais Trump afirma que votações por correio comprometem a validade de uma eleição. A notificação –um ponto de exclamação azul– orienta usuários do microblog a “obterem informações sobre as cédulas por correio” e os direciona a uma página com notícias e artigos de checagem de fatos que desmentem as alegações de Trump. Trump tem atacado estados que querem expandir a votação por correio como forma de possibilitar que mais eleitores votem e também de garantir mais segurança em meio à pandemia de coronavírus. O Comitê Nacional Republicano processou o estado da Califórnia no fim de semana devido a um plano de expansão da votação por correio apresentadopelo governador democrata Gavin Newsom.
Em resposta à intimidação lançada pela Casa Brnca, o Twitter afirmou que não tomará qualquer medida contra seu empregado e que a sinalização dos tuítes do presidente não havia sido feita por Roth. “Ninguém no Twitter é responsável por nossas políticas ou ações de reforço, e é lamentável ver funcionários individuais serem alvo de decisões tomadas pela empresa”, disse um porta-voz do Twitter ao The Verge.

Etiqueta
A empresa confirmou que essa foi a primeira vez que aplicou uma etiqueta de verificação de fatos a tuítes do presidente sob sua nova política, introduzida neste mês, para combater desinformação sobre a Covid-19. O Twitter disse ainda que estenderia as regras adotadas a tuítes com informações controversas ou enganosas sobre o coronavírus a outros tópicos. Yoel Roth é o chefe da integridade do Twitter, membro de uma equipe cujo trabalho é fazer valer as regras do microblog. Roth se dedica a “identificar e investigar suspeitas de manipulação de plataforma”, como diz em seu blog na página da empresa, removendo contas falsas ligadas a causas ou movimentos.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com