32 C°

segunda-feira, 21 de setembro de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Nacional

Comando Vermelho toma Manaus em meio a onda de assassinatos

quinta-feira, 13 de fevereiro 2020

“Vermelhou, mano.” A mensagem de áudio difundida a partir do maior presídio de Manaus e um foguetório ouvido em quase toda a cidade na segunda-feira (10) anunciaram a sangrenta tomada da capital do Amazonas pela facção carioca Comando Vermelho (CV).

Foto: Divulgação

Para arrebatar Manaus da antiga aliada Família do Norte (FDN), o CV protagoniza uma onda de violência na cidade, palco de sucessivos confrontos entre facções desde 2017. Em janeiro, foram 106 assassinatos, 54% a mais do que no mesmo período do ano passado, segundo números oficiais.

Nos presídios de Manaus, onde ocorreram dois grandes massacres em três anos, houve conversões em massa da FDN para o CV nos últimos dias. Na UPP (Unidade Prisional do Puraquequara), um “batidão de grades”, gravado em celular, anunciou a tomada de controle da facção de origem carioca. 
No Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), um preso foi morto na segunda-feira (10). Nesse dia, áudio de um detento alertando para uma possível invasão policial mobilizou dezenas de parentes para a entrada do presídio. 

Eles passaram a madrugada em vigília no presídio onde ocorreu a maior parte das mortes de janeiro de 2017 e de maio do ano passado, em um total de 122 assassinatos. Segundo o governo, houve apenas uma inspeção de rotina.

Em resposta à violência, o Amazonas instaurou um gabinete de crise na segunda-feira. O discurso oficial do governo estadual é de que a briga entre as facções é decorrência do aumento das apreensões de drogas pela polícia estadual. O policiamento nas ruas de Manaus foi reforçado.
“Conto com a imprensa para divulgações positivas  do sistema de segurança. Vamos combater a ‘fake news’, que só atrapalha o serviço da polícia”, disse o secretário-executivo da Secretaria da Segurança Pública, o coronel da PM Anézio Brito de Paiva, em entrevista coletiva sobre o gabinete. 

O banho de sangue ocorre pouco depois da inauguração, pelo ministro Sérgio Moro, do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública Regional Norte (CIISPR-N) em Manaus, em 13 de dezembro. O foco é o combate ao crime organizado por meio da coleta e análise de inteligência. 
Em reunião com Moro na terça-feira, o governador Wilson Lima (PSC) recusou as ofertas de envio da Força Nacional para Manaus e de transferência de presos para fora do Amazonas.

Via email, a Folha questionou o Ministério da Justiça sobre a atuação do CIISPR-N na crise e solicitou uma avaliação da situação em Manaus. A resposta ignorou as perguntas e se limitou a dizer que o ministério está “acompanhando os fatos em Manaus e avaliando as medidas mais eficazes para combater o crime organizado”. 

Apesar das promessas de maior coordenação contra o crime organizado, a colaboração entre o governo estadual e a Polícia Federal é praticamente nula. Os policiais federais veem com desconfiança o secretário de Segurança Pública do Amazonas, o coronel da PM Louismar Bonates.
Bonates já foi alvo de duas investigações da PF. Na primeira, em 2005, ele aparece ligado a um grupo de extermínio formado por PMs. Na segunda, em 2015, o atual secretário foi flagrado negociando a ampliação do poder da FDN no sistema carcerário em troca de paz nas cadeias.

Em ambos os casos, as investigações da PF foram enviadas ao Ministério Público Estadual do Amazonas, que não apresentou nenhuma denúncia contra Bonates. Ele nega envolvimento com grupos de extermínio e com a FDN.

Em 10 de junho do ano passado, durante visita de Moro a Manaus para tratar do sistema penitenciário, Bonates não foi autorizado a participar da reunião entre o ministro e o governador Wilson Lima (PSC).
Bala perdida Vários assassinatos das últimas semanas ocorreram à luz do dia. Na tarde de terça-feira (11), um homem de 24 anos que portava tornozeleira eletrônica foi morto a tiros enquanto andava no bairro Compensa, berço e maior reduto da FDN e onde há mais resistência à ofensiva do CV.

Houve ao menos um caso de bala perdida envolvendo criança. Em 9 de janeiro, o garoto Renan Souza da Gama, 10, brincava de tarde na frente de casa quando foi morto durante suposta troca de tiros entre traficantes.
No bairro Riacho Doce, pichação em uma esquina alerta os moradores: “Abaixe o vidro por sua segurança. Assinado: crime FDN-AM”.
A violência respingou para outras partes do estado. Na segunda-feira, uma chacina matou quatro homens em Presidente Figueiredo, 130 km ao norte de Manaus.

Em Careiro Castanho, 124 km a sul da capital, um vídeo recente mostra uma inscrição CV recém-pichada enquanto foguetes anunciam a tomada. “Vermelhou, vermelhou. Chama a polícia não que vai ser pior”, diz o autor do vídeo.

Em 29 de outubro, a PM interveio em uma invasão da FDN em território do CV, no bairro Crespo, em Manaus. Com 17 mortos, foi a ação policial mais violenta de 2019 no Brasil. Entre as vítimas está um adolescente de 14 anos, morador da região e sem passagem pela polícia. Uma testemunha ouvida pela Folha relatou ter presenciado uma execução.

Além de centro consumidor, Manaus é estratégica para o narcotráfico devido à rota do rio Solimões, via de entrada da cocaína peruana produzida na região fronteiriça e que abastece principalmente o Norte e o Nordeste do Brasil. 

Em 2017, a FDN protagonizou no Ano-Novo o segundo maior massacre em presídios da história do país, em ação contra o Primeiro Comando da Capital (PCC), de origem paulista. Em seguida, a facção fundada em Manaus se dividiu, abrindo caminho para a ascensão do CV no estado. 

Fonte: Folhapress

Mais conteúdo sobre:

Assassinatos Comando Vermelho crime organizado Manaus

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com