32 C°

quinta-feira, 28 de maio de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Opinião

Cloroquinas e tubaínas

quinta-feira, 21 de maio 2020

“Se a Ciência não pode passar sem os judeus, teremos de nos haver sem a Ciência”. A frase de Hitler dita, aos berros naquela tarde de 6 de maio de 1933, ao pai da física quântica, Marx Planck, então diretor do Kaiser Institute, selou o destino de outro cientista, esse judeu, Fritz Haber, uma das sumidades da, já refinada, Ciência alemã nos anos 1920. Plank havia se dirigido a Hitler para solicitar-lhe a preservação da plêiade de cientistas judeus alemães, então perseguidos e humilhados na escatológica ascensão nazista.
A cena ocorrida na refinada Berlim das primeiras duas décadas do século XX – apesar da crise que se abateu sobre o país ao longo do anos 1920 – nos remete ao ato do general Eduardo Pazuello, que faz as honras de ministro da Saúde, ao subscrever o novo protocolo clínico, imposto pelo presidente Jair Bolsonaro, autorizando o uso de cloroquina por pacientes vítimas do coronavírus, contrariando toda a Ciência praticada e recomendada, no Brasil e no mundo, sobre a cloroquina.
Subordinado a um capitão com visível problema de cognição, ausência de empatia, de misericórdia, de tolerância e de sentimentos básicos de humanidade – Jair Bolsonaro -, o general-intendente Eduardo Pazuello deveria olhar para a História e considerar que a simbiose entre Ciência e ideologia, não raro, inspira sentimentos e práticas nem sempre dignos. Seu colega de farda – não exatamente de crença e intenções – Heinrich Himmler, que ostentava o título de Reichsfuher – SS – algo como marechal de campo -, segundo homem na hierarquia nazista, não escondia sua predileção pela Ciência, apesar de trazer apenas um curso básico de Agronomia. Conta-se que ele ordenava pesquisas sobre a relação entre os canhotos e a homossexualidade e a genealogia genética dos cavalos dos antigos reis nórdicos.
Mas, se ensinamento não há na História para o jovem general-intendente, com suas doutas experiências em jogos olímpicos e gestão de refugiados, recomenda-se que Pazuello tome tenência com as prudentes advertências lançadas no editorial de ontem do tradicionalíssimo jornal o Estado de S. Paulo. Sob o título “A cloroquina e o crime de responsabilidade”, o diário da família Mesquista destaca o artigo 196 da Constituição Federal, onde se lê sobre a saúde como um direito de todos e um dever do Estado.
As estultices do capitão Bolsonaro, que dividiu a Nação entre os tomadores de cloroquina e os bebedores de tubaína, deveriam assustar o jovem general. Bolsonaro, como Hitler, se deleita agredindo políticos, pacifistas, feministas, gays, a mídia e espalhando fake news.
No século XX, as elites europeias, de certa forma, acolheram o soldadinho austríaco. Como os editoriais do Estadão anunciam, as “elites” do bananal já se incomodam com as bravatas do capitão do Alvorada. A conferir.

JORGE HENRIQUE CARTAXO
JORNALISTA

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com