32 C°

quarta-feira, 1 de abril de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Opinião

Solidariedade em tempos difíceis

segunda-feira, 23 de março 2020

O novo coronavírus, que eclodiu na China, está parando o mundo e, infelizmente, há de parar, para que mais pessoas não fiquem doentes. Temos de ficar em casa, todos nós, para que não contraiamos a doença e para que não a passemos, se estivermos infeccionados. Temos de seguir o protocolo de higiene, larga e repetidamente divulgado e sair de casa só o estritamente necessário. Ir ao supermecado, à farmácia, ao trabalho, se não houver maneira de levar o trabalho para casa, se bem que muitos locais de trabalho estão fechando, para que não haja pessoas muito perto umas das outras.
E ficando em casa, temos de nos ocupar, temos de encontrar atividades para ocupar o tempo, pois chega uma hora em que tudo o que podia ser feito em casa já foi feito. Então, temos de ter livros para ler, bons programas e filmes para ver, música para ouvir, jogos para nos entretermos, brincadeiras e um menino Rio, esse ser iluminado, para curtir e alegrar tudo, se for possível.
É tempo de ações de solidariedade e há muitas delas. Queria falar de algumas dessas que, em tempos de ficarmos em casa, nos encantam e nos fazem abençoar o tempo disponível. Falo de iniciativas como a do espetáculo Rua das Pretas, que era apresentado todos os sábados num palacete do bairro Príncipe Real, aqui em Lisboa, pelo cantor e compositor Pierre Aderne. Ele cantava e trazia cantores brasileiros, portugueses – o fado não pode faltar, é claro -, americanos, caboverdianos e por aí afora, numa tertúlia intimista deliciosa, como se fosse na sala da gente, regada a ótimos vinhos.
Não podendo mais abrir o Palácio do Príncipe Real, Pierre faz o espetáculo online, virtual, e a gente pode ter o Rua das Pretas no aconchego do nosso lar.

LUIZ CARLOS AMORIM
ESCRITOR

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com