segunda-feira, 19 de agosto de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

"você jamais será livre sem uma imprensa livre." - Venelouis Xavier Pereira

Iraguassú apresenta projeto que promove literatura de autores negros em Fortaleza

sexta-feira, 16 de agosto 2019

Imprimir texto A- A+

Promover campanhas que divulguem a literatura produzida por escritores negros, que reproduza a história, as tradições e a cultura do povo negro. Este é um dos objetivos do Projeto de Indicação 204/2019, de autoria do vereador Iraguassú Filho (PDT), que cria em Fortaleza o Estatuto Municipal de Promoção da Igualdade Racial.
“Apesar de ser a maioria no Brasil, quase 54% da população, segundo dados do IBGE, há uma dificuldade histórica do negro em se inserir na sociedade como o protagonista de um discurso, é assim nas universidades, no mercado de trabalho, na política e também na literatura”, observa Iraguassú.

O parlamentar afirma que, segundo uma pesquisa realizada em 2013 pela professora de literatura Regina Dalcastagnè, da Universidade de Brasília (UnB), 93,9% dos escritores brasileiros são brancos. O estudo mostra ainda que a representatividade do negro nas obras literárias também fica segregada em relação aos brancos, personagens negros são apenas 7,9%, sendo apenas 5,8% os narradores; 20,4% são representados como bandidos ou contraventores; 12,2% são empregados domésticos; e 9,2% são escravos.
“A gente busca com essa lei reparar alguns erros históricos e promover a inserção do negro como um agente protagonista em várias áreas, inclusive na literatura”, argumenta Iraguassú. Recentemente, uma campanha da Faculdade Zumbi dos Palmares ganhou repercussão em todo o Brasil ao abrir uma discussão em relação à cor do escritor Machado de Assis, que é negro, mas teve uma foto histórica embranquecida em seus livros.

Instagram

[instagram-feed]

Facebook

Twitter