32 C°

sexta-feira, 23 de abril de 2021.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Política

Lotação em ônibus preocupa parlamentares na pandemia

segunda-feira, 01 de março 2021

O movimento de passageiros nos ônibus de Fortaleza é um dos principais potenciais vetores do novo coronavírus na Capital, levando em conta que são ambientes isolados, pouco espaçosos e frequentemente lotados – sendo também, em paralelo a isso, inescapáveis para boa parte da população, que não tem outro meio para se deslocar na cidade. A situação, em meio ao aumento gradativo de casos de infecções e mortes, vem preocupando deputados e vereadores.

Foto: Edson Júnior Pio


Os parlamentares têm apresentado projetos em suas respectivas casas legislativas e pautado o assunto em discursos no plenário. É o caso da deputada estadual Dra. Silvana (PL), que diz que vai apresentar em breve um projeto na Assembleia Legislativa do Ceará (Alece) estabelecendo uma multa para as empresas de transporte coletivo que registrarem excesso de 50% no número de passageiros em cada veículo.

Em sessão da casa na última quinta-feira (25), ela destacou que o Ceará talvez atravesse o pior momento da pandemia, com aumento das contaminações, alta ocupação dos leitos de UTI e dificuldades de vacinação.


“Se um estabelecimento comercial superlotar, nós vamos multar e esse local irá à falência. Não acredito que vá acontecer o mesmo com uma empresa de ônibus, portanto devemos fazer um pacto de multá-la também”, salientou. Ela pontuou ainda que muitas pessoas precisam sair de casa para trabalhar ou ir para um médico e não podem pegar outro tipo de transporte. “Essa pessoa pega o ônibus lotado, se contamina e sai contaminando todo mundo. Por isso, precisamos multar as empresas de transporte coletivo que excederem o limite de passageiros transportados, porque eles têm como pagar as multas”, apontou.


O deputado Renato Roseno (Psol) apoia a iniciativa: para ele, “atribuir uma sanção e multa para aqueles que reduziram suas frotas, fazendo com que mais pessoas tivessem que se aglomerar em menos ônibus, é uma questão de saúde pública”. “Temos cartéis de empresas, com muito poder econômico e político, que reduziram o número de ônibus em circulação sem perder rentabilidade e lucratividade, em um período onde todo mundo sofreu prejuízo”, assinalou.


Na própria Assembleia, foi aprovada na última semana o projeto de lei nº 21/2021, que cria convênio entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Fortaleza para ampliar, em horários de maior circulação de pessoas, a frota de ônibus do transporte público na Capital. Segundo o líder do governo na casa, deputado Júlio César Filho (Cidadania), “assistimos várias reportagens, recebemos várias reclamações de que os ônibus, principalmente em horário de pico, estavam ficando lotados. Para diminuir essa superlotação, a Prefeitura, com ajuda do Governo, vai ajudar no custeio da operação. Serão mais 200 ônibus na nossa Capital”, adiantou.

CMFor
Na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) também tramitam matérias que tratam do assunto. A vereadora Larissa Gaspar (PT) apresentou o requerimento nº 186/2021, que pede a realização de uma audiência pública na casa legislativa para discutir a lotação nos ônibus em Fortaleza e a qualidade na prestação do serviço à população.


Também de autoria da petista é o requerimento 922/2021, que solicita o envio de um ofício à Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) demandando um aumento na frota de ônibus especificamente no Jardim das Oliveiras. “A referida demanda tem sido solicitada por moradores e moradoras do Jardim das Oliveiras e se fundamenta em pleito da comunidade usuária do transporte coletivo, que muito anseia por melhores condições de mobilidade e direito à cidade”, pontua a parlamentar.


Já o vereador Ronaldo Martins (Republicanos) apresentou dois requerimentos, um pedindo envio de ofício à Etufor e um ao Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), ambos solicitando que seja garantida a circulação de 100% da frota de veículos durante os horários de pico na capital cearense. “Quem não tem o privilégio de poder trabalhar de casa ou de morar perto do trabalho precisa enfrentar todos os dias ônibus frequentemente lotados, correndo risco de se contaminar”, assinala o parlamentar na justificativa.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com