32 C°

sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

aniversario
aniversario

Colunista - Tarcília Rego

Ártico continua derretendo

terça-feira, 24 de outubro 2017

No final do verão deste ano no hemisfério norte, no momento de mínima cobertura de gelo sobre o Oceano Ártico, a capa de gelo se estendia sobre uma área de 1,5 milhões de km2, a oitava menor dos registros. Nem mesmo um ano sem El Niño conseguiu reduzir a perda de cobertura de gelo. Cientistas dizem que a perda de gelo não será constante. Acontecerão cada vez menos momentos de alta cobertura e cada vez mais momentos de baixa. A própria referência à ‘média histórica’ vai, aos poucos, perdendo o sentido.

Abaixo de boa parte do Ártico existem vastas quantidades de gases de efeito estufa, trancados por milênios em solos gelados. Com isto não apenas estes reservatórios estão descongelando mais amplamente do que se pensava, mas nesta fase, não há muito que pode ser feito para combater a situação.

Em meio às temperaturas quentes que atingiram o Ártico este ano, aumentam as preocupações com o aquecimento do planeta, já que o aquecimento acelerado dos solos do Ártico (chamados de permafrost, ou pergelissolo) poderia aumentar muito o efeito estufa.
O problema é que, quando estes solos congelados descongelarem, mesmo por apenas uma parte do ano, os microrganismos que vivem dentro deles podem começar a quebrar plantas mortas, mas preservadas, de eras passadas, e liberar seu carbono na forma de dióxido de carbono ou metano. Pesquisadores acreditam que a atmosfera da Terra já contém mais gases de efeito estufa devido a este descongelamento.

Estima-se que o permafrost ártico contém aproximadamente o dobro do total de carbono presente em toda a atmosfera planetária em suas profundezas geladas, porque estas paisagens o preservaram lentamente durante grandes períodos de tempo.

Ekosil, um produto que ajuda a diminuir a dependência brasileira por potássio, recebeu autorização para ser comercializado nos Estados Unidos como insumo orgânico. O mercado americano é um dos mais criteriosos na permissão do uso deste tipo de insumos.

A medida permitirá que os produtores brasileiros possam exportar produtos orgânicos utilizando o fertilizante nacional. Além disso, o próprio Ekosil, um produto da Yoorin Fertilizantes, poderá ser usado no plantio de produtos orgânicos nos EUA. A Yoorin foi a primeira empresa de insumos agrícolas do mundo a receber o selo de sustentabilidade ProTerra.
Além de ser um fertilizante sustentável, o Ekosil é uma das primeiras iniciativas nacionais para reduzir a dependência do Brasil por potássio. Hoje, de acordo com a Embrapa, mais de 90% do potássio utilizado na nossa agricultura é importado.

Cervejaria Ambev informou ao O Estado Verde que o ator Lázaro Ramos não recebeu cachê da empresa para explicar nas redes sociais a ação proposta pela AMA, água mineral da Ambev que investe 100% do lucro em projetos de acesso à água no Semiárido nordestino. Ele cita a empresa, após a experiência reflexiva, de passar três dias com acesso restrito de água, em solidariedade às famílias nordestinas que enfrentam escassez hídrica.
Parabéns! No último dia 21 o aniversário foi da Associação Caatinga. A ONG que faz um excelente trabalho de conservação da Caatinga, o único bioma exclusivamente brasileiro.

hoje

Mais lidas

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com