32 C°

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Colunista - Cláudio Humberto

‘Lei da promiscuidade’ poderá enquadrar Lula

quinta-feira, 28 de março 2013

• O ex-presidente Lula, que viaja em jatinhos de empreiteiras para defender seus interesses mundo afora, desautoriza uma lei que seu governo propôs em 2006. A pretendida “lei da promiscuidade” regulamenta os conflitos de interesses entre agentes do setor público, incluindo ex-governantes, e a área privada, fixando penas severas para os transgressores. Exemplo de transparência que agora ele desmente.

• Dormitando – A “lei da promiscuidade” jamais foi aprovada. Durante anos dormitou na Câmara e hoje está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

• Aprovou, dançou – Se a maioria governista permitir a aprovação da “lei da promiscuidade”, o ex-presidente Lula poderá ser o primeiro enquadrado por ela.
• Escorregadio – Lula não desmente o uso de jatinhos. Defende-se afirmando que pior é FHC que segundo ele ganha dinheiro para falar mal do Brasil lá fora.

• Podes crer – Ironia: após cinco dias de feriado prolongado, Executivo, Legislativo e Judiciário voltam ao trabalho em 1o de Abril, o “Dia da Mentira”.

Coronel da segurança do Planalto afronta Temer
• Responsável por parte da segurança presidencial, o coronel Artur José Solon Neto provocou estupefação ao “peitar” o vice-presidente Michel Temer, em jantar da Câmara de Comércio Árabe, em São Paulo, na segunda (25). Irritado com pedido do vice para reduzir o aparato de segurança, o coronel desdenhou: “Só recebo ordens do general Elito”, referindo-se ao ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

• Chega de pompa – Michel Temer, um gentleman no trato, pediu discrição da seguranças para não constranger comunidade árabe, que o homenagearia.

• Exagerado – Não é a primeira vez que o Michel Temer revela desconforto com os excessos de seguranças, inclusive em eventos de menor porte.

• Estresse- Como revelou à coluna em fevereiro, o coronel Neto anda estressado: ele foi humilhado por Dilma em público, ao substituiu o general Amaro.

• Competência – Dilma continua cheia de razão para suas monumentais broncas no chanceler Antônio Patriota. O presidente da China, Xi Jinping, foi recebido em Durban com salva de canhões, tropa formada e sete ministros. O Itamaraty não agiu, e quatro gatos pingados a receberam.

• Celebridade – O juiz Alexandre Mesquita será o novo corregedor-geral do TRE do Rio. Disputava com o advogado Leonardo Antonelli, irmão da atriz Giovanna Antonelli, e marido de outra, Guilhermina Guinle.

• Fator Garotinho – Aumentam as chances de o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) virar ministro dos Transportes, abandonando a candidatura ao governo do Estado. Em troca, ele apoiaria para governador o senador Lindbergh Farias (PT), que também é rival do governador Sérgio Cabral (PMDB).

• Às moscas – Apesar de registrada a presença de 369 deputados ontem no painel da Câmara, o plenário passou o dia vazio. Os senadores também usaram a falta de quórum como pretexto para antecipar o feriadão da Páscoa. 

• Prioridade – O PDT veiculará a partir de amanhã 15 inserções de rádio e TV com foco no deputado Antônio Reguffe, proporcionalmente o mais votado do Brasil. O partido quer lançá-lo candidato ao governo do DF em 2014.

• Foco no discurso – Aspirante a disputar a Presidência, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) participou de jantar com a bancada federal na residência do deputado Izalci (PSDB-DF), na terça, em Brasília. Defendeu foco nas propostas.

• Ponto de romaria – Donna Hrinak, da Boeing Brasil, foi recebida ontem pelo governador Eduardo Campos para assinar um memorando de entendimento com a Universidade Federal de Pernambuco. Ele só entrou com a tinta da caneta utilizada, mas o governo federal nem sequer foi citado.

O PODER SEM PUDOR
Além da fronteira
Durante a campanha de 1989, em viagem para ganhar “envergadura internacional”, Lula chegou a Lisboa sem agendar encontros com autoridades como Mário Soares, o simpático presidente socialista, que contou a história a um ex-embaixador do Brasil. Ele estava na Estremadura portuguesa, pertinho da cidade espanhola de Badajoz, mas, informado da visita de Lula, o solícito Soares telefonou-lhe para as boas-vindas: “Estou cá na fronteira, ó pá!”
– Fronteira com que país? – perguntou-lhe Lula.
Mário Soares desistiu de sacrificar a agenda para ver Lula. Diz ter ficado chocado com o fato de o candidato a presidente do Brasil ignorar a lição primária de geografia: Portugal só faz fronteira com a Espanha. E o mar.

 

hoje

Mais lidas