32 C°

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Colunista - Cláudio Humberto

Para 44%, Bolsonaro deve priorizar Saúde pública

terça-feira, 13 de agosto 2019

Não vamos retomar a CPMF em hipótese alguma
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, liquidando fantasia do Governo
Saúde pública é a área das maiores preocupações e queixas dos brasileiros, segundo levantamento nacional exclusivo do instituto Paraná Pesquisas para o site Diário do Poder e para esta coluna. Pela pesquisa, 44,3% ainda esperam do governo Bolsonaro prioridade total para saúde e 16% para educação. Geração de empregos, que vinha liderando preocupações dos brasileiros, está em terceiro, com 15,6%.
Segurança atrás
Segurança, que já liderou pesquisas semelhantes em outros tempos, agora é preocupação prioritária apenas para 7,3% dos entrevistados.
Combate à corrupção
Até mesmo corrupção, que até há alguns anos era um dos principais fatores de indignação, hoje está em quinto lugar, com 6,3%.
Economia em sexto
A economia ou sua recuperação permanece entre as principais preocupações dos brasileiros, mas só para 6% dos entrevistados.
Dados técnicos
O Paraná Pesquisas ouviu 2.082 brasileiros em 174 municípios, entre os dias 5 e 9 de agosto. A margem de erro é de 2%.
Artistas deploram
Chico Vigilante não acredita que algo tenha mudado: na CPI, músicos como Tim Maia acusaram o “escritório” de nada repassar aos músicos.
Relação com artistas
“Os artistas odiavam o Ecad”, recorda o ainda indignado Chico Vigilante, deputado distrital em Brasília por vários mandatos.
Outro lado
O Ecad diz fazer “trabalho sério e incessante” e que é uma entidade privada, com atuação pautada na lei, e é supervisionada pelo Estado.
Muita cara-de-pau
Acusada de retaliação contra o ministro Bruno Dantas, do TCU, por ser ele contrário a uma gratificação bilionária paga a auditores fiscais, a Receita Federal divulgou que o ministro “não está sob investigação”. Ele ficou ainda mais indignado: “É muita cara de pau!”.
Sem intimidar
A Receita exigiu de Bruno Dantas, três anos depois, cópias dos cheques que pagaram despesas médicas. Não queriam nem a nota fiscal, mas cópia do cheque. “Acharam que me intimidariam”, disse ele.
Lei Rhuan Maycon
Projeto de Bia Kicis (DF), Carla Zambelli e Eduardo Bolsonaro (SP) eleva a pena máxima de 30 para 50 anos. Será a “Lei Rhuan Maycon”, criança de 9 anos torturada, assassinada e esquartejada pela mãe a sua companheira por ser menino. Até cortaram o pênis do garotinho.
Abuso barrado
O deputado de Brasília, Fábio Félix (Psol), mandou confeccionar um leque com as cores do arco-íris e mandou a conta para o contribuinte pagar, por meio da Câmara Legislativa. O abuso foi barrado.
Presença ilustre
A atriz brasiliense Maria Paula, da turma do Casseta & Planeta, esteve ontem (12), na homenagem realizada no Senado ao general Eduardo Villas Bôas. Ela é amiga da família do militar.
Herói nacional
A procuradora-geral Raquel Dodge se referiu ao general Eduardo Villas Bôas, assessor do Planalto, como “herói nacional”. Ela e todos os demais oradores na homenagem ao ex-comandante do Exército.
Taxa Selic a 5%
Economista-chefe do Porto Seguro, José Pena aposta para 2019 taxa Selic a 5%, em razão da desaceleração global, da ameaça argentina à industrial brasileira e a retomada ainda lenta da atividade doméstica.
Mérito judiciário
O presidente Jair Bolsonaro recebe a Ordem do Mérito Judiciário hoje, no TST. Também serão homenageados os ministros Sérgio Moro (Justiça) e Augusto Heleno (GSI) e os presidentes do Supremo, do Senado e da Câmara, além de outras 46 autoridades.
Pensando bem…

…em vez de todo dia, o Detran podia multar dia sim, dia não.

De Dinarte Mariz aos jornalistas Carlos Castello Branco e Murilo Melo Filho: – Eu vetara a candidatura de Aluízio Alves ao governo do Rio Grande do Norte, quando ouvi do marechal Castello Branco, no Planalto, a advertência: “Lá, no seu estado, segundo estou informado, quem tem votos é o dr. Aluízio”.
Mariz respondeu: – Não seja por isto, presidente. Se fosse só por ter voto, quem devia estar sentado aí era Juscelino (Kubitscheck), que tem muitos votos, e não o senhor, que não os tem.

hoje

Mais lidas