32 C°

terça-feira, 10 de dezembro de 2019.
Fortaleza, Ceará, Brasil.

Colunista - Cláudio Humberto

Planalto tenta blindar general após trapalhadas

quarta-feira, 10 de abril 2013

• O Planalto manobra para impedir que o general José Elito, chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, seja convocado para esclarecer na Câmara a trapalhada da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) em Pernambuco, bisbilhotando portuários de Suape. A presidenta Dilma teme nova trapalhada do general, que a envolveu na denúncia ao declarar que tudo o que o órgão faz “é pela presidenta”.

• Agente 86 – O governo propôs ao deputado Paulinho da Força (PDT-SP) uma reunião com o general Elito, em troca do depoimento dele na Câmara.

• Missão ilegal – A Força Sindical ameaça acusar Dilma na Organização Internacional do Trabalho por violar direitos constitucionais dos portuários.
• Arapongas trapalhões – Os sindicalistas decidiram entrar com habeas-data exigindo da Abin acesso a todo os documentos produzidos na “missão secreta”.

• Que sede… – O governo federal estuda socorrer a endividada aérea Gol com grana do BNDES. Quem sabe assim a água a bordo volte a ser de graça.

Apagão atinge até
Eletronorte no DF
• Brasília dá vexame: ontem, um apagão alcançou a área central, incluindo o prédio onde ficam Eletronorte e Furnas Centrais Elétricas. Lá funcionam o shopping ID, três andares alugados ao Ministério do Turismo, que fechou as portas, além do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional e da Secretaria Nacional de Segurança Pública, ambos vinculados ao Ministério da Justiça.

• Imagine na Copa – Segunda, faltou luz por 5 horas e 40 minutos no importante Setor de Indústria (SIA), que fica apenas 5km do Estádio Mané Garrincha.

• Triunfo da incerteza – Vender e não entregar energia é ótimo negócio: a estatal de energia CEB, do DF, saiu do prejuízo para o lucro de R$ 37 milhões, em 2012.

• Estratégia – O deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE) assumirá hoje na Câmara a presidência do Cedes, o Centro de Estudos e Debates Estratégicos.

• Tudo o que reluz – O sigilo até 2027 dos empréstimos de US$ 875 milhões a Angola e Cuba desperta as suspeitas mais primitivas: ou Cuba vai atacar os EUA ou Angola vai criar o bolsa-diamante para sua ascendente “classe C”.

• É guerra! – Empréstimo com nosso dinheiro é segredo de Estado, mas na Feira Internacional de Segurança e Defesa, no Rio, a Marinha mostrou até o reator do futuro submarino nuclear com a França.

• Reconhecimento do MP – O deputado João Campos (PSDB-GO) ficou intrigado: se o Ministério Público sustenta que pode fazer investigação criminal, por que passou à Policia Federal a tarefa investigar o ex-presidente Lula no mensalão?
• Empurra que pega – Cuba e Venezuela estão à frente do Brasil em Desenvolvimento Humano, diz o relatório 2012 do PNUD. Ficamos em 85º, rivalizando com Jamaica e Omã, que vergonha. A Noruega é 1º, de novo.

• Fantasia chapa branca – O governador gaúcho Tarso Genro (PT), que jamais conviveu bem com a crítica, não pode ser acusado de incoerência: ele mantém, firme, a cabeça no passado. Em Porto Alegre, propôs a criação de um fundo, com dinheiro público, para financiar cooperativas de jornalistas.

• Faça o que digo… – No Dnit desde a “faxina ética”, Tarcísio Gomes Freitas vetou o contato de servidores com empreiteiros, mas participou ontem de almoço capitaneado pela Associação das Empresas de Engenharia Consultiva.

• Pires gigante na mão – A governadora potiguar Rosalba Ciarline, visitará em Brasília, hoje, a diretora do Banco Mundial no Brasil, Débora Wetzel. Está ansiosa para assinar a primeira etapa do empréstimo de US$ 360 milhões.

• Sob condições – A Comissão de Educação da Câmara vota hoje projeto de lei do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) que obriga os pais a participar de reuniões escolares para receber os benefícios do Bolsa Família. 

O PODER SEM PUDOR
A ginástica de Lacerda
De vez em quando o deputado Carlos Lacerda encontrava adversários que não o temiam. Como quando atacou um deputado baiano, Manoel Novaes, acusando-o de se “aproveitar dos serviços públicos para ganhar votos”. Novaes estava ausente do plenário da Câmara, mas no dia seguinte fez um duro discurso, exigindo pedido de desculpas de Lacerda. E ameaçou:
– No sertão, de onde venho, honra se lava com sangue!
Dias depois, Lacerda fez um discurso de puro contorcionismo político, conseguindo convencer o ofendido que retirava as agressões, e ao mesmo tempo deixando nos orgulhosos seguidores a certeza de que as reafirmara.

 

hoje

Mais lidas